NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
Abril 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Quem está conectado
61 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 61 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4303 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Jose Aparecido Rodrigues

Os nossos membros postaram um total de 30163 mensagens em 13085 assuntos

O batismo bíblico

Ir em baixo

O batismo bíblico

Mensagem por Profeta ccb em 17th Fevereiro 2015, 6:02 pm

O primeiro batismo de que se tem noticia no Novo Testamento é o praticado por João, o batista. Este batismo foi chamado de o batismo do arrependimento pelo apóstolo Paulo. Por ele passou todos os apóstolos de Jesus. Jesus foi batizado por João, mas o batismo de Jesus tem um desígnio totalmente diferente do administrado por João aos pecadores confessos. Finalmente temos o batismo administrado pela Igreja de Jesus, primeiramente pelos apóstolos antes de sua morte, depois, pela Igreja organizada de Jerusalém.
O BATISMO DE JOÃO AOS PECADORES CONFESSOS
Esse batismo era por imersão (veremos mais adiante um estudo específico sobre o significado da palavra). Seu desígnio era totalmente diferente do administrado pela Igreja. Simbolizava que Jesus iria morrer, iria ser sepultado e iria ressuscitar dentre os mortos. Era uma crença “Naquele que há de vir”, como dizia o próprio João. João podia administrá-lo porque como ele confirmou, e não negou: “aquele que me mandou batizar”, referindo-se ao próprio Deus, dera-lhe tal autoridade. Importante lembrar que João só batizava pecadores confessos, ou seja, pessoas que estavam conscientes de que eram pecadores.
Grande número de pessoas participaram desse batismo administrado por João. Inclusive os doze apóstolos do Senhor Jesus. Foi um ministério tão grande que muitos anos depois Paulo encontrou alguns de seus discípulos na longínqua cidade de Éfeso. Apolo, grande pregador e cooperador de Paulo, foi um de seus discípulos. Este batismo terminou quando João foi encerrado na prisão, coincidindo com o início do ministério de Jesus. Aquele que havia de vir chegou, e por isso, não necessitavam mais ser batizados para aquele fim. Quando Jesus iniciou seu ministério João foi preso, e da prisão foi decapitado. Findou-se assim o batismo de João aos pecadores confessos.
O BATISMO DE JOÃO A JESUS
O batismo de Jesus também foi por imersão. Seu desígnio também era diferente do administrado por João aos pecadores confessos e dos administrado pela Igreja aos crentes arrependidos. Simbolizava que Ele daria sua vida nossos pecados, seria sepultado e depois ressuscitaria em Glória. Não era uma crença, era o cumprimento da vontade do Pai, ou como o próprio Senhor Jesus disse: “Para que se cumpra toda a justiça”. Nesta passagem vemos a importância da pessoa que administra o batismo, pois, o Senhor Jesus podia ter batizado a si próprio, mas não o fez. Andou mais de cem quilômetros e foi até onde João estava batizando, e lá, recebeu o batismo da pessoa que o próprio Deus tinha ordenado para o ato.
O BATISMO ADMINISTRADO PELA IGREJA PRIMITIVA
Esse batismo também foi por imersão. Seu desígnio inaugurava um propósito todo novo. Simbolizava que Jesus morreu pelos nossos pecados, que foi sepultado e que ressuscitou dentre os mortos. Só era batizado aquele que tinha feito profissão sincera de sua fé no Senhor Jesus. Nunca, em momento algum, temos a notícia de que pelo menos um dos batizados pela igreja fosse pessoas não convertidas, ou forçadas para o ato, ou qualquer recém-nascido. Consideremos o que disse Filipe para o Eunuco: “Você pode ser batizado, se creres de todo o seu coração”; e após a pregação de Pedro em Atos 2 vemos a Bíblia esclarecendo que “foram batizados todos os que voluntariamente… “, portanto, eram batizados após terem a certeza de salvação e de livre e espontânea vontade. Também não era qualquer um que podia batizar. Não vemos dizer que os membros excluídos batizaram alguém, que também os facciosos batizaram alguém e fosse aceito, e não há nenhuma menção de que alguém tenha sido batizada por si mesma. Do membro excluído a Bíblia ensina a se afastar dele, e do faccioso a evitá-lo. Assim temos que A IGREJA ESTAVA COM A ORDENANÇA DO BATISMO, e só podia realizar o batismo ou um pastor ou um membro que estivesse em plena comunhão com a igreja biblicamente correta.
 
O SIGNIFICADO DA PALAVRA BATISMO
Tenho visto muitas definições sobre o significado da palavra batismo. Alguns dicionários da língua portuguesa chegam ao absurdo de dizerem que a palavra significa “dar nome a alguém”. Esse absurdo é um reflexo de como a nossa sociedade chamada de “cristã” está tão errada e sendo conduzida ao erro em respeito ao significado desta palavra. Abaixo daremos várias opiniões a respeito do significado da palavra “batismo”. São opiniões de pastores e bispos de diversas igrejas, e também a opinião de algumas autoridades da língua grega, língua esta de onde originou-se a palavra batismo.
O trecho a ser inserido aqui foi tirado do livro Manual das Igrejas Batistas de Edward T. Hiscox, editado pela IBR, em Abril de 1966, a partir da página 78. Fique distintamente entendido, contudo, que todos os nomes abaixo, são pedo-batistas, ou seja, praticam o batismo infantil:
A palavra batizar, propriamente falando, é um termo grego (baptizo), adaptado para o idioma português por uma alteração em sua terminação. É o termo sempre empregado por Cristo e seus apóstolos para expressar e definir a ordenança. Que significa tal vocábulo, segundo originalmente usado? Que é que dizem os eruditos do grego? Como é que os léxicos gregos definem esse vocábulo?
Scapula diz: “Mergulhar, imergir, como fazemos com qualquer coisa com o propósito de tingi-la;”
Schleusner diz: “Significa, propriamente mergulhar, imergir, imergir em água.”
Parkhurst diz: “Mergulhar, imergir, ou meter em água.”
Stevens diz: “Imergir, submergir ou sepultar em água.”
Robinson diz: “Imergir, afundar.” …
O professor Moses Stuart, um dos de maior capacidade da América do Norte, declarou: “Batismo significa mergulhar, meter ou imergir em qualquer líquido. Todos os lexicógrafos e críticos de qualquer nomeada concordam sobre isso.”
Stourdza, o erudito e diplomata russo, diz: “A Igreja Ocidental, portanto, desviou-se do exemplo de Jesus Cristo, obliterou inteiramente a sublimidade do sinal externo. Batismo e Imersão são idênticos. Batismo por aspersão é a mesma coisa como se alguém dissesse imersão por aspersão, ou qualquer outro absurdo da mesma natureza.”
O Deão Stanley, erudito e historiador da Igreja Oriental, afirma: “A prática da Igreja Oriental, e o significado do vocábulo, não dão motivo suficiente para qualquer duvida de que a forma original do batismo era imersão completa nas profundas águas batismais. ” Hist. da Igreja Oriental, pg. 34.
Martinho Lutero, o fundador da Igreja Luterana, disse: “O termo batismo é grego; em latim pode ser traduzido por Mersio, uma vez que imergimos qualquer coisa em água, para que o todo seja coberto pela água”. Works, V. I, pg. 77, 1582.
Melancthon, o mais erudito e hábil colaborador de Lutero, escreveu: “Batismo é imersão em água”. Works, V.I pg. 71, 1582.
John Wesley, fundador da Igreja Metodista, diz: “Sepultados com Ele, alude à maneira antiga de batizar por imersão”. Nota sobre Rom. 6,4;
João Calvino, fundador do presbiterianismo, escreveu: “Pelas palavras de João 3,23; pode-se inferir que o batismo era administrado por João e por Cristo, mediante mergulho do corpo inteiro sob a água.” Com sobre Jo 3,23;
Cave, em sua notável obra sobre as Antigüidades Cristãs, diz: “A pessoa a ser batizada era inteiramente imersa, ou posta debaixo da água.” Prim. Christ. P.I. Cap. X, pg. 320.
Grotius, a quem seu biógrafo chama um dos nomes mais ilustres da literatura, da política e da teologia, diz: “Que o batismo era realizado por imersão, e não por derramamento, se entende pelo próprio sentido da palavra, como também pelos lugares escolhidos para administração do rito.” Anot. sobre Mat. 3,6; e Jo 3,23;
Adam Clarck, o grande comentarista metodista, declara: “Fazendo alusão às imersões praticadas no caso de adultos, nas quais pessoas pareciam ser sepultadas sob a água, como Cristo foi sepultado no coração da terra.” Com. sobre Col. 2,12;
O Bispo Bossuet, o célebre bispo Católico francês, orador e conselheiro de estado, afirma: “Batizar significa afundar, conforme admitido por todo o mundo. ”
Assim, de acordo com tantos testemunhos, e todos de indivíduos não batistas e que praticam o batismo infantil, e com exceção dos católicos orientais, todos praticantes do batismo por aspersão ou derramamento, fica mais que claro que a posição dos batistas a respeito do uso e interpretação da palavra batismo, além de bíblica é incontestável, mesmo aos fundadores e seguidores do batismo por aspersão ou afusão.
Em seu livro O Batismo Estranho e os Batistas, pg. 26-27 o autor W. M. Nevins, cita um caso ocorrido com o Dr. John T. Cristian, quando este escreveu ais principais eruditos gregos da América e da Inglaterra, fazendo-lhes a seguinte pergunta: “Há qualquer léxico (dicionário) grego-inglês que defina a palavra baptizo por aspergir ou derramar?
Respostas Americanas:
“Não há nenhum léxico grego-inglês que de aspergir ou derramar como um dos sentidos da palavra grega baptizo”
Prof. H. W. Humphreys, Universidade Vanderbilt
“Não há nenhum léxico grego-inglês padrão de que aspergir quer dizer derramar como um dos significados da palavra grega baptizo”.
Prof. Dodge, Universidade de Michigan
Respostas Inglesas:
“A palavra baptizo quer dizer afundar, ou mergulhar na água, não respingar. Não sei de nenhum léxico que de respingar por batizar”.
Prof. H. Kinatton, D.D. Universidade de Durhan
“Não sei de qualquer léxico grego-inglês que dê o significado de respingar ou derramar. Se alguém o fizer, eu diria que se enganou”.
Prof. G. E. Mamdin, Universidade de Londres
“Não sei se há qualquer léxico autorizado grego-inglês que faz a palavra significar respingar ou derramar. Apenas posso dizer que semelhante palavra nunca pertence a baptizo no grego clássico.”
Prof. R. C. Jebb, Universidade de Cambridge.
A conclusão que chegaram os homens acima mencionados é a mesma conclusão das grandes universidades, tanto dos Estados Unidos quanto da Inglaterra. Portanto, não fica dúvida nenhuma sobre o verdadeiro significado da palavra baptizo na Bíblia, o qual quer dizer uma só coisa: “Mergulho ou imersão”. Em suma batizar significa mergulhar totalmente o candidato na água.
 
O MODO PELO QUAL ERA ADMINISTRADO O BATISMO
Comumente, hoje existe pelo menos três formas de batismo. A mais usada é a aspersão, a qual é usada nas igrejas Católicas Romanas, Presbiterianas, Luteranas, Metodistas, Congregacionais, entre outras. Depois vem pela afusão, ou derramamento, sendo que algumas igrejas protestantes praticam essa forma. E depois, o batismo por imersão, bandeira pela qual os batistas foram perseguidos e de onde vem o seu nome denominacional “batista”, dado justamente pelos seus opositores. A pergunta de muitos é: Qual é o modo certo de se batizar? Por que os outros jeitos não valem?
Ora, não fica dúvidas para qualquer leitor simples das escrituras que o modo correto é a imersão. Já vimos que o significado é esse, ou seja, o mergulho do indivíduo crente sob a água. Abaixo daremos alguns trechos bíblicos sobre a clareza dessa afirmação:
O Batismo de Jesus
O batismo de Jesus no rio Jordão é assim descrito: “Batizado Jesus, saiu logo da água” (Mat. 3,16). E novamente é registrado que Jesus “por João foi batizado no rio Jordão” (Mar 1,9). Certamente ele não desceria ao Jordão para que O aspergissem com água. Foi batizado no Jordão, e não com o Jordão. Além disso, foi batizado, ou seja, imerso, e não “rantizado” isto é, aspergido. A frase bíblica é muito clara nesse assunto: “saiu logo da água”, e se saiu é por que estava dentro, e se estava dentro é porque havia a necessidade de estar dentro da água para receber o batismo do modo certo, ou seja, mergulhar o candidato na água. Fosse o batismo por aspersão ou afusão não havia a necessidade nem de Jesus (o candidato) nem de João batista ( o administrante) estarem dentro da água. Seria muito mais simples batizá-lo fora de um rio.
O Bispo Taylor diz: “O costume das Igrejas antigas não era a aspersão e sim imersão, de conformidade com o sentido do termo nos mandamentos e no exemplo de nosso Bendito Salvador. Comentário de Mateus 3,16;
MacKnight afirma: “Cristo submeteu-se a ser batizado, isto é, a ser sepultado sob a água, e a ser novamente levantado da mesma, como emblema de sua futura morte e ressurreição”. Comentário da Epistola aos Romanos 6,14;
Muita Água Necessária
Está escrito que “João estava também batizando em Enom, perto de Salim, porque havia ali muitas águas” (João 3,24;). Por que haveria necessidade de tanta água, a não ser para mergulhar ou sepultar os candidatos no ato do batismo?
João Calvino, o grande teólogo, erudito e comentador, reputado por Scaliger como o homem mais erudito da Europa (o autor não concorda com estas qualificações mencionadas a pessoa de Calvino), escreveu: “Pelas palavras de João (cap. 3,23) pode-se inferir que o batismo era administrado por João e por Cristo, mediante mergulho do corpo inteiro sob a água.”
Poole diz: “É evidente que tanto Cristo como João batizavam emergindo todo o corpo na água, pois do contrário não teriam tido a necessidade de buscar lugares onde houvesse abundância de água.”
Filipe e Eunuco
“Ambos desceram à água, e Filipe batizou a Eunuco. Quando saíram da água, o Espirito do Senhor arrebatou a Filipe” (Atos 8,38-39). Por que descer à água, ambos, ou mesmo um deles, senão para o ato de imersão?
Se o batismo pudesse ser administrado por aspersão, por que não pegaram um pouco de água de sua própria botija, pois, como alguém como o Mordomo-Mor de uma rainha iria viajar sem um pouco de água para beber? Acontece que num copo ou numa botija não dá para mergulhar o corpo de uma pessoa.
OBJEÇÕES A ESSA PRÁTICA
Os administrantes do batismo por aspersão tem feito muitas objeções a essa prática bíblica, e portanto a única, de se batizar. Daremos algumas mais usadas.
Dizem que no Jordão não havia água o suficiente para mergulhar:
O Jordão é um rio com mais de 260 Km de cumprimento. A Bíblia diz que sua largura e profundidade eram tantas que foi preciso Josué fazer com que as águas se tornassem num montão para que pudessem passar a seco. Js 3,6; O mesmo se deu com Elias e Eliseu. II. Re 2,8 e 14; Caso não tivesse água o suficiente como dizem, porque então ter que fazer as águas secarem? E ainda temos o caso de Naamã, o qual foi curado da lepra quando mergulhou sete vezes neste rio. Não há dúvida que essa é uma objeção sem fundamento e nitidamente de má intenção.
Onde foram batizadas as três mil almas de Atos 2?
Os que afirmam isso desconhecem que em Jerusalém tinham fontes de água como a de Betesda e a de Siloé. A de Betesda era tão grande que dezenas de pessoas ficavam em sua beira para receber a obscura cura de João 5. E o tanque de Siloé era um reservatório de dezoito metros de cumprimento por seis de largura e 6 de profundidade. Será que um tanque assim não daria para batizar as pessoas? Sem contar os rios que passavam perto dessa cidade. Eu mesmo, quando batizado, fui levado a uma distancia de 11 Km para receber o batismo por imersão, já que em nossa igreja não tinha batistério. Se Jesus andou uma distancia de mais de cem quilômetros para receber o seu batismo, porque nós, reles pecadores, não podemos fazer o mesmo. Mais o que realmente importa é que a Bíblia diz que eles foram imergidos e não aspergidos.
Dizem que o Batismo para ser realmente Bíblico deveria ser efetuado no rio Jordão:
(A Semente, publicação quadrimestral da Igreja Presbiteriana Independente, pg. 20)
Essa é outra pergunta que desafia o bom senso. Aliás, é capciosa. Jesus não foi batizado com o Jordão é sim, no Jordão. Além disso, o batismo de Jesus no Jordão não é o único exemplo de batismo na Bíblia. Temos por exemplo o batismo do Eunuco, o qual, certamente foi realizado em algum ponto que liga Jerusalém a Gaza, e por lá não passa o Jordão, e nem por isso o Eunuco deixou de ser batizado. Temos o caso do batismo de Lídia, a qual morava em Filipos, e em Filipos não passa o rio Jordão. Sem contar os inúmeros casos da Bíblia onde as pessoas foram imergidas sem ter sido no Jordão. Não é o lugar que conta e sim a suficiência da água ( Jo 3,24;). Essa suficiência deve ser o bastante para que o candidato possa mostrar ao mundo que Jesus morreu e foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia.
E os lugares que não tem água como nos desertos e terra de seca?
É uma pergunta pelo menos mais interessante. Também não vemos malícia nela, apenas curiosidade. Nos lugares desertos não há muitos moradores. Onde há muitos moradores sempre existem cisternas e poços para que o local fique abastecido e as pessoas possam sobreviver. Além da sobrevivência eu não tenho notícia de um lugar que as pessoas nunca tomam banho, e se tomam banho há de se ter uma firmeza bíblica para se guardar um mínimo possível para que se efetue o batismo. Nossos missionários nestes lugares distantes sempre conseguem de alguma forma batizar seus candidatos, e até hoje, nunca foi um problema ao ponto de terem que começar a batizar por aspersão ou derramamento.
Como batizar os moribundos em seu leito de morte por imersão?
Não podemos mudar a forma do batismo só porque nosso candidato está a beira da morte. Devemos lembrar que a água do batismo não está na frente do sangue de Jesus e sim o sangue de Jesus é o que lava pecados. O batismo é somente um quadro do evangelho, e não um quesito pelo qual nós alcançamos a salvação. Caso o candidato esteja em condições de se batizar que o faça sem reclame. Caso não tenha tempo ou condições para isso, seja ele como o ladrão da cruz, e esteja com Cristo sem o ato do batismo. Não devemos ficar aborrecidos ou preocupados por ele ter morrido sem ser batizado. Foi a vontade de Deus que assim se sucedesse. O que não pode é mudar a Bíblia e batizar por aspersão, esse sim é um grave erro.
Sendo o batismo apenas um quadro do evangelho, não tem problema que ele seja por aspersão ou derramamento.
Praticar formas de batismo impróprias usando esta desculpa é uma desconsideração para com a Bíblia, e por isso, uma desconsideração para com os mandamentos de Deus. Devemos lembrar que o batismo de João era só um quadro representativo também. Nem por isso deixou de ser realizado da forma certa. O batismo de Jesus também era um símbolo, mas nosso Salvador fez questão de ser mergulhado por João. O batismo da igreja primitiva era uma ordenação simbólica de Jesus aos seus discípulos, entretanto, não temos um único relato de que alguém tenha efetuado uma mudança em sua forma original, ou seja, mergulhar o candidato na água.
Na verdade, essa desculpa de que “não tem problema”, é uma desculpa original dos que preferem sua própria versão à versão de Deus. Foi pensando assim que Eva comeu da árvore proibida. Seu filho Caim achava que o jeito certo de se fazer sacrifício não era dos mais limpos. Resolveu mudar. Trouxe a Deus uma oferta sem sangue, e por isso foi rejeitado pelo Senhor. O mesmo pensamento irresponsável levou o rei Saul a fazer um sacrifício que não lhe era permitido, e naquele dia ele perdeu seu reino e o apoio de quem tanto o ajudara.
Não podemos nos esquecer da admoestação que Moisés recebeu do Senhor antes de fazer o Tabernáculo: “Faze tudo conforme o modelo que no monte se te mostrou”. (Hebreus 8,5;). O que Moisés iria construir era apenas objetos e coisas materiais. Coisas que para muitos não tinha o menor valor ou importância. Mas para Deus tinha muita importância. Era tão grande o valor de se fazer o jeito certo que ele deteve Moisés quarenta dias e quarenta noites explicando detalhadamente como ele queria. Certamente Moisés não teve por coisa pouca essa orientação de Deus. Por isso lemos nas escrituras: “Assim se acabou a obra do Tabernáculo… e os filhos de Israel fizeram conforme com tudo que o Senhor ordenara a Moisés”.
Essas objeções são levantadas por igrejas ou indivíduos a elas ligados que praticam um modo incorreto de se batizar. Geralmente batizam por aspersão ou por derramamento. Lendo um Manual de Estudos Dominicais da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil, chamado de “A Semente”, II. Semestre de 1984, encontrei a seguinte citação a respeito do pensamento deles sobre o Modo de Batizar:
“Há muitas pessoas que fazem enormes discussões sobre a forma de se batizar, se por aspersão ou imersão. A Bíblia simplesmente omite esta preocupação…” pg. 20
Pelo que já estudamos no capitulo anterior a Bíblia não omite a forma pelo qual o candidato deve ser batizado. A própria palavra baptizo já quer dizer “mergulhado ou imergido”. No mesmo manual e na mesma página ele discute o assunto dizendo:
“Documentos antigos do primeiro e segundo século da Igreja apresentam as duas formas como corretas, parecendo terem optado definitivamente pelo batismo por aspersão por considerarem-no, quem sabe uma cerimonia mais simples”.
Aqui há dois erros. O primeiro de não citar as fontes pela qual ele defende a sua tese. Segundo pelas inverdades relatadas, pois, o batismo por aspersão foi conhecido pela primeira vez no século terceiro, por um homem chamado Novaciano*, o qual, depois de conscientizar de seu erro, batizou-se por imersão negando sua prática anterior. O batismo por aspersão só apareceu como regra definitiva nas igrejas no século treze**, e não nas igrejas verdadeiras, e sim, na Igreja Católica Romana, que é uma igreja excluída e considerada pagã desde 225 pelos crentes fiéis.
* Manual das Igrejas Batistas pg. 98, por T. Hiscox
** Manual das Igrejas Batistas pg. 99, por T. Hiscox
Por que muitas igrejas batizam por aspersão e não por imersão?
Essa é uma pergunta que os próprios batizadores da forma incorreta deviam responder, mais não o fazem com clareza e sinceridade. As desculpas mais conhecidas são:
[list="font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; outline: 0px; border: 0px; vertical-align: baseline; line-height: 13px; margin-top: 15px; margin-right: 0px; margin-left: 0px; padding-right: 0px; padding-left: 0px; color: rgb(34, 34, 34); background-color: rgb(255, 255, 255);"]
[*]“É mais prático fazer assim, pois a imersão dificulta o ato”.
[/list]
Que é mais prático não há dúvida. Ser prático não quer dizer ser bíblico. Temos o exemplo da adoração (veneração) de santos e imagens pelos católicos hoje. Quando essa prática entrou nas igrejas católicas, era mais prático para ganhar os bárbaros. (O Cristianismo Através dos Séculos pg. 129) Antes de uma igreja ser prática ela precisa ser bíblica. O batismo por aspersão é um ato antibíblico e não autorizado pelas escrituras.
[list=2]
[*]“Não tem problema, pois, o batismo não salva mesmo”.
[/list]
Primeiro: Não é a forma bíblica, portanto é errada. Jesus não foi batizado por aspersão. A igreja Primitiva não batizou por aspersão, e mesmo a igreja Católica, por 1200 anos continuou a batizar por imersão até mudá-la em definitivo no século treze para aspersão.
Segundo: Batismo por aspersão foi idealizado numa idéia errada; As igrejas que o praticam pensam que o batismo tem uma ação salvadora, tendo poder de purificar e santificar a alma, tornando a salvação mais segura. Colocam o batismo à frente do sangue. Por isso começaram a batizar crianças recém-nascidas, alegando que elas são pagãs até realizaram esse ato.
Terceiro: Foi a Igreja Católica que inventou. Seu invento errado foi herdado pelas igrejas (filhas) saídas dela, ou seja, Anglicana, Presbiteriana, Luterana, Congregacional, e até pela filha de suas filhas (neta) Metodista.
Batizar alguém por aspersão seria o mesmo que mergulhar uma pessoa com meia dúzia de gotas de água. O resultado é o mesmo: Não dá.
 
O CANDIDATO CORRETO AO BATISMO
Preocupados em ter um número cada vez maior de fiéis em sua igreja, muitos pastores se esquecem de uma grande exigência bíblica para o batismo, que é o do candidato ser uma pessoa apropriada. Preocupados em receber mais ofertas e que sua igreja estará mais cheia, nem pensam que o candidato precisa ser uma pessoa que tenha feito uma sincera profissão de fé, e que como a Bíblia ensina, tenha se tornado uma nova criatura, deixando a velha vida de pecados para trás, procurando viver uma nova vida (dada por Jesus) voltada para Cristo e para sua Igreja.
Não pode ser um candidato apropriado aquele que professa Cristo como Senhor, e no entanto, o mundo ainda continua a mandar em sua vida. Ele aceitou Jesus de boca mas ainda ama o tabaco. Aceitou Jesus de palavras mas ainda é escravo do álcool. Diz que é filho de Deus mas sua única preocupação são as coisas terrenas.
É comum numa igreja que realmente professa o nome de Jesus Cristo o candidato passar por uma avaliação de conhecimentos e bom testemunho. A igreja, representada pelo pastor e seus membros, certamente podem interrogar o candidato (como fez Filipe a Eunuco quando este lhe pediu batismo). São perguntas básicas como: “Por que você quer ser batizado? Que significa o batismo? Para que serve o batismo? Tem certeza de sua salvação eterna? Entre outras de acordo com a exigência de cada igreja local. Certas perguntas são básicas. Precisam ser perguntadas e necessitam de respostas certas. Filipe fez uma pergunta básica: “Podes, se crer de todo o coração”, e a resposta foi certa: “Eu creio que Jesus é o Filho de Deus…”. Algumas pessoas, muito espertas, sabem decor as perguntas, mas suas vidas dão um testemunho contrário à sua fé. Por exemplo: Se o candidato aceitou Jesus, e era católico praticante, certamente foi um idólatra; Caso ele continue a adorar ídolos e imagens, ou pelo menos guardá-las a escondido, é uma prova de que Cristo ainda não é o Senhor absoluto de sua vida. O mesmo se dá com vícios, costumes errados e prazeres indignos, que, orientados pela igreja local, deve o candidato ter abandonado a tudo que lhe atrapalha de servir o seu novo dono, Jesus.
Toda Igreja que não faz avaliações sinceras dos candidatos à batismo estará correndo sérios riscos. O mais grave é de colocar na mesa do Senhor pessoas indignas, ou seja, encher a casa do Senhor de incrédulos e chamá-los de irmãos. Após essa tragédia vem as futuras conseqüências, ou seja, o testemunho deles irá falhar, e quem passará a vergonha pública é a própria igreja que o aceitou sem ter feito as prévias avaliações. Se fazendo as prévias avaliações já corre o risco da pessoa se desviar, imagine ir aceitando qualquer um. Existem pessoas que só querem pertencer a uma religião, tanto faz ser numa igreja católica, protestante ou batista. Por isso, numa entrevista sincera com ele, a igreja saberá de suas intenções. A prévia entrevista é uma arma contra futuros problemas com a membresia.
AS CRIANÇAS SÃO CANDIDATAS APROPRIADAS PARA O BATISMO?
Depende. Se for uma criança recém-nascida, não há dúvidas, é imprópria para o batismo. Caso seja uma criança responsável (impor um limite de idade a essa responsabilidade é antibíblico), que tenha consciência de que é pecadora, que sabe que Jesus Cristo morreu por ela na cruz, e que deseja arduamente aceitá-lo como seu único e suficiente salvador, não podemos negar-lhe o direito de batismo. Também para ela deve ser feitas as perguntas e delas esperar as mesmas respostas que o daria um adulto. Sua conduta também deve ser analisada, porém, deve-se distinguir atos de criança com atos de rebeldia contra a vontade do Senhor.
O recém-nascido não pode ser batizado. Acabou de chegar ao mundo. Não sabe falar, não sabe pedir, e não sabe distinguir o certo do errado. Ela é inocente de pecados cometidos – ainda que não é inocente do pecado original. Batizar um recém nascido é usar de um método não bíblico para fazer a igreja crescer numericamente. É lhe impor uma fé que ela nunca professou com sua boca.
Cometer o erro de batizar um recém nascido é um dos mais perniciosos erros que uma igreja pode ter. Ao batizar um recém-nascido o mesmo passa a ser membro de uma igreja denominada cristã. Algumas até aceitam Jesus posteriormente. Mas a grande maioria acaba-se tornando um cristão sem Cristo. É membro da igreja tal, mas não da igreja de Jesus. Sem contar que é prejudicial para a própria criança, pois, pensando que por já ter uma religião, e por ser chamada de cristã, não vê necessidade de fazer uma profissão de fé e de ser realmente batizada escrituristicamente. Sem contar que essa igreja, através dos tempos, acaba ficando cheia de pessoas não salvas no seu rol de membros.
POR QUE OS RECÉM-NASCIDOS SÃO BATIZADOS?
Na Igreja Católica ela é batizada para receber a salvação. Para eles é cristão quem é batizado. O batismo tem para o catolicismo (junto com outros sacramentos) o errôneo poder de “lavar os pecados”. Portanto, batiza-se uma criancinha para lavar seu pecado original. (Concílio de Trento).
John Wesley nas suas obras, V. 6, seção 4, fala pelos metodistas:
“É certo que a nossa igreja supõe que todos quantos são batizados na sua infância são ao mesmo tempo nascidos outra vez. Se as crianças são culpadas de pecado original, não podem ser salvas na maneira comum a menos que se lavem pelo batismo”.
A igreja Presbiteriana dá os seguintes motivos para fazê-lo:
Dizem que se das criancinhas são o reino dos céus (Cl. 19,16) não vêem por que negar-lhes o batismo, pois as mesmas possuem a graça da salvação. Também dizem que o batismo cristão é o substituído da circuncisão que foi dada a Abraão e sua descendência. Dizem ainda que quando a família de Lídia, de Cornélio, e a do carcereiro foi batizada não fala que apenas os adultos foram batizados.
Refutando estas objeções presbiterianas podemos dizer. Primeiro: Se realmente eles entendem que é das criancinhas o reino dos céus, porque então no mesmo manual afirmam que: “A Igreja não batiza qualquer criança, mas apenas filhos de crentes”. Ora, não é isso uma discriminação a algumas crianças? Não seria melhor afirmar como os batistas que sendo das crianças o reino dos céus, e se Jesus disse para deixai-as vir a ele sem embaraços, não seria melhor que o próprio Jesus tomasse conta do caso sem nossa interferência? Somos Deus para julgar que os filhos dos crentes já nascem predestinados e os filhos dos incrédulos já nascem perdidos? Jesus não mandou nem nunca batizou nenhum recém nascido. Ele mandou deixar vir, e não batizá-las, pois, se o fizesse, estaria caindo no erro de encher Sua igreja de futuros incrédulos. Também deve-se entender que uma coisa é pertencer ao Reino dos Céus, e outra é pertencer ao Corpo Visível de Cristo que é Sua Igreja.
Segundo: Se o batismo cristão substituiu a circuncisão da Antiga dispensação, não seria mais correto batizar somente os meninos e isso ao oitavo dia? Por que então batizar as meninas, pois, só os meninos eram circuncidados. É grande erro essa afirmação, e não temos um versículo na Bíblia dizendo que o batismo é a nova circuncisão. Interessante é a declaração do Manual das Igrejas Batistas, pg. 127, de Hiscox sobre esse assunto:
“Quanto ao argumento utilizado por alguns, de que o batismo veio substituir a circuncisão, trata-se de um argumento por demais débil e pueril, por demais imaginário e destituído de razão, para merecer consideração séria por parte de mentes inteligentes”.
Terceiro: Realmente a Bíblia fala de famílias inteiras que foram batizadas. O que a Bíblia não fala é que um recém-nascido, ou uma criança irresponsável tenha sido batizada. Não podemos trabalhar com a Bíblia julgando por suposições ou hipóteses. O certo é que a Bíblia não dá um exemplo e nem manda que nenhuma criança recém-nascida seja batizada. Tenho absoluta certeza de que se houvesse um recém-nascido na casa de Lídia ou na casa do carcereiro, os mesmos não teriam sido batizados por Paulo, pois, fazendo isso ele estaria obrigando à criança a uma fé que ela não aceitou de sua livre e espontânea vontade. A fé é pessoal e o batismo também. Pedro disse em Atos 2 que: “Cada um seja batizado” e não “cada família seja batizada”.
Existem milhares de igrejas batistas em cuja comunhão famílias inteiras tem sido batizadas – pais e filhos, e talvez outras pessoas a eles ligadas. Mas todos tinham idade suficiente para crer e fazer profissão de sua fé. Evidentemente o mesmo aconteceu com as famílias de Lídia, do carcereiro, de Cornélio e outros casos na Bíblia. Agora observemos o que dizem alguns eruditos que praticam o batismo de recém-nascidos sobre esses casos:
O Dr. Neander escreveu: “Não podemos provar que os apóstolos tenham ordenado o batismo infantil; das passagens onde é mencionado o batismo de famílias inteiras, não podemos tirar tal conclusão.” (Planting and Training, pg. 162. N.Y. Ed. 1865).
O professor Jacob diz: “Em nenhum desses casos ficou provado que havia criancinhas naquelas famílias”. ( Kitto s Bib. Cyc., artigo batismo).
O Dr. Meyer diz: “Que o batismo de criança não estava em uso naquele tempo torna-se evidente em I Cor 7,14;”. (Comentário sobre Atos 16,15;).
O motivo pelo qual as criancinhas são batizadas é um só. Tais igrejas que fazem isso acreditam que o batismo é um sacramento e não uma ordenança aos já salvos. Acreditam que o batismo ajuda ou dá salvação. É a doutrina da regeneração batismal, iniciada pela igreja católica já no segundo século de nossa era, e a partir do século dezesseis transmitida às suas filhas que são as igrejas protestantes originais (luterana, presbiteriana, anglicana), e posteriormente às suas netas (congregacional e metodista). Ou se crê na regeneração batismal ou se crê que o sangue de Jesus é quem tira pecado. Amedrontados que a criança venha nascer e morrer pagã acabam por batizando seus filhos recém-nascidos. Se esquecem que Deus tem um plano especial para as criancinhas que morrem e não tem compreensão de seus pecados.
O candidato apropriado é aquele que ouvindo o evangelho, arrepende-se de seus pecados e sente a necessidade de ser lavado pelo sangue de Jesus. Humilhado ele pede perdão a Deus pelos seus pecados, confia no Senhor Jesus para a expiação dos mesmos, e depois pede para ser batizado para que tenha entrada na igreja de Cristo. Consciente de que é pecador, confia que Jesus, ao morrer na cruz, pagou todos os seus pecados, e por isso ele será conduzido ao céu após sua morte (ou talvez arrebatado nas nuvens num arrebatamento repentino). Jesus, além de seu Salvador, torna-se o Senhor de sua vida, vida esta que será a de uma nova criatura, agora, criada para as boas obras. Sem esse básico conhecimento de pecado, aceitação a Jesus, e consciência de uma mudança de vida, o candidato é inapropriado, ou seja, indigno do batismo. O candidato apropriado tem consciência de que:
“E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências” Gálatas 5,24
Extraído do site http://solascriptura-tt.org/ em 19/01/2015

_________________
[size=16]Homem  CCB[/size]

Profeta ccb

Mensagens : 359
Pontos : 494
Data de inscrição : 28/09/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum