NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Outubro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Quem está conectado
45 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 45 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4286 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de victoria bulha

Os nossos membros postaram um total de 30032 mensagens em 12965 assuntos

A RELIGIÃO mente e engana os outros e a ELA mesma

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A RELIGIÃO mente e engana os outros e a ELA mesma

Mensagem por Ricardo Mendes em 22nd Setembro 2015, 8:10 pm

[size=30]C[/size]




DECISIONISMO: Você sabe o que é? Conhece ou já fez????


Por algumas vezes temos falado aqui sobre os resultados "maravilhosos" do evangelismo moderno. Temos escrito sobre as multidões que "aceitam" a Jesus e em poucos meses não podem ser encontradas nas igrejas. Sobre a taxa de "desviados" (falsas conversões) de mais de 80%. Da apatia espiritual de muitos desses "convertidos". Dos muitos que jamais leram as Escrituras (mais de 95% dos crentes). E dos 98% que não fazem evangelismo de forma regular. Mas gostaríamos de falar sobre o pai da criança, digo, do evangelismo moderno, ou jeito de se fazer evangelismo. O grande e pouco estudado, "missionário" Charles Finney.

Antes de mais nada, só queremos deixar claro que essa não é uma discussão sobre arminianismo ou calvinismo. Mas sim sobre decisionismo, que é um assunto um pouco diferente. 

Voltando a Finney, você pode ler uma breve biografia clicando nesse link

Finney é considerado um grande evangelista, o precursor das chamadas cruzadas evangelísticas, das quais a maior expressão foi Billy Graham, declaradamente seguidor dos métodos de Finney. Interessante nota que durante uma entrevista foi perguntado a Graham o que ele pensava quando via as pessoas indo à frente, em reposta ao apelo feito:"penso que de cada quatro pessoas que vêem a frente, três vão se desviar". 

Durante grande parte da história do cristianismo, o evangelismo era feito da seguinte forma: pregava-se a Lei, o Juízo e depois a Graça. A Lei era usada para mostrar que somos pecadores. O Juízo para mostrar que vamos prestar contas a um Deus justo. E a graça como caminho de salvação. Via de regra, apresentava-se o evangelho nessa ordem porque assim ele fazia muito mais sentido. As pessoas eram estimuladas a se arrependerem e colocar sua fé em Jesus Cristo. Mas nenhum ritual específico era feito. A pessoa deveria receber a confirmação de sua eleição diretamente do Espirito Santo, através do trabalho de regeneração. Se você for salvo, vai dar frutos. Se você for salvo, Deus vai te confirmar. A igreja primitiva na verdade demorava um pouco para considerar alguém como salvo e parte do corpo de Cristo. Era difícil de entrar e fácil de sair. 

Um pouco antes de Finney aparecer em cena, alguns começaram a dizer que o batismo era prova da salvação, era algo que confirmava a pessoa como salva. Mas essa crença foi refutada, pois biblicamente, o batismo é um ato público de fé, mas que em si não salva ou confirma a salvação. É uma declaração, mas não a fonte da salvação. 

Com Finney, as coisas mudaram um pouco. Abandonando a antiga teologia do evangelismo, que defendia o Espírito Santo como principal responsável pela salvação do pecador, Finney desenvolve uma nova abordagem, onde o principal responsável pela salvação é o próprio pecador. É ele quem decide se vai ser salvo ou não. Ele é salvo, não porque recebeu a confirmação do Espírito Santo pelo trabalho de regeneração. Ele é salvo porque decidiu ser salvo. É a sua decisão que age como selo confirmatório. E é aí que entra em cena a "oração do pecador" (você já deve ter feito ela). Está implantado então o decisionismo. 

Muitos pastores fazem todas as pessoas da igreja repetirem a oração (inclusive os já convertidos), geralmente no final do culto. É mais ou menos assim:



“Pai, eu sei que tenho transgredido suas leis e meus pecados têm me separado de Ti. Eu realmente sinto muito; agora quero me afastar da minha vida de pecado e me aproximar de Ti. Por favor me perdoe e me ajude a evitar a pecar de novo.
Eu creio que Seu Filho Jesus Cristo morreu pelos meus pecados, ressuscitou dos mortos, hoje vive e escuta minha oração. 

Eu convido Jesus a ser o Senhor da minha vida para reinar em meu coração de hoje em diante. Por favor envie o Espírito Santo para me ajudar a obedecer a Ti e fazer a Sua vontade pelo resto da minha vida. 

Eu abro a porta do meu coração para o Senhor entrar e fazer morada, dirige a minha vida Jesus. Em nome de Jesus. Amém.”

Essa forma de evangelismo se mostrou muito atrativa porque poderia garantir ao pecador sua passagem direta para o céu. Finney começou a usar essa abordagem em seus trabalhos de rua e viu resultados fantásticos. Milhares se "lançavam aos braços do Salvador", pois agora podiam contar com algo que dependia somente deles. Até o dia de hoje, a mensagem e o método de Finney são predominantes no evangelismo moderno. "Venha para Jesus, ele vai te dar paz, alegria, felicidade". "Ele vai resolver seus problemas". "Somente faça essa oração comigo, convide Jesus para entrar em seu coração, e você automaticamente estará salvo". 

Existem vários problemas com essa abordagem e com essa linguagem, especialmente no tocante às Escrituras. Além de não ser uma abordagem bíblica (podemos ver que não é assim que os primeiros cristãos pregavam o evangelho), a linguagem é estranha às Escrituras, não se encontra nada parecido em relação a uma "oração do pecador" com poderes mágicos de garantia ao pecador e também retira do Espírito Santo um de seus desígnios

O método de Finney ainda é muito usado em nossos dias porque possuiu algo que o torna extremamente atrativo:números. Ele provê um dado estatístico mensurável do sucesso de um ministério. É muito mais emotivo, no sentido em que multidões se convertem. Também é muito mais fácil para se angariar fundos para o sustento da obra, pois as pessoas só querem investir naquilo que dê resultados. 


"Quantos convertidos você teve no último mês? Não sei, esse é um trabalho do Espírito Santo. Eu posso falar para quantas pessoas eu preguei o evangelho". 

Essa frase não é muito efetiva quando se vai angariar fundos. 

Mas, pelo contrário, quando a resposta para mesma pergunta é "quinhentas pessoas aceitaram Jesus em seu coração". Numericamente falando, o decisionismo é muito mais atrativo, mesmo não sendo bíblico. Por isso tantospastores e missionários e evangelistas adotam esse métodoTambém porque essa é a única forma como a maioria acha que o evangelismo é feito.

Algo que poucos conhecem são os resultados da obra missionária de Finney. Em visitas feitas um ano depois às comunidades que receberam suas campanhas evangelísticas, descobriu-se que das multidões que "aceitavam Jesus",poucos ainda se encontravam nas igrejas. 


Muitos deles voltaram para seu estado anterior, totalmente voltados para o pecado e outros ainda pior, confirmando o texto que diz "e seu estado final é pior do que o inicial" (2 Pedro 2:20). Também verificaram que essas pessoas se tornaram mais resistente ao evangelho, porque, ou não conseguiram a "vida maravilhosa" que pensavam conseguir, ou tinham a garantia de que eram salvos, pois fizeram uma oração uma vez e "aceitaram Jesus em seu coração".

Podemos ver muito desse quadro nos dias de hoje. 


As pessoas vão para a igreja, ouvem uma mensagem do tipo "venha para Jesus, Ele tem um plano maravilhoso para sua vida", entendem essa idéia de plano maravilhoso de uma forma bem diferente do que diz a Bíblia (os apóstolos experimentaram essa vida maravilhosa, especialmente em sua morte), nada ouvem sobre pecado, arrependimento, ira vindoura. Mal ouvem sobre a graça, que é desconfigurada porque ela perde o sentido quando não é comparada com a ira de Deus, fazem uma oração como se fosse um encanto tirado de Harry Potter que lhes dá a certeza de serem cristãos e dai por diante fazem parte do "povo de Deus". Poucos meses depois, quando chega a tribulação, perseguição, tentação, a pessoa percebe que foi enganada e cai fora. Mais um "desviado". E muitos dos que ficam, que acabam nunca se convertendo, vivem uma vida reprovável para um cristão.

Horas e horas de discipulados são gastas na tentativa de transformar um bode em ovelha. E o máximo que se consegue é uma mudança cosmética, envolta em moralismo.

Precisamos voltar imediatamente para o evangelismo bíblico, que se preocupa menos com os números e mais com a obediência ao Senhor, deixando para que Ele inicie a obra na vida da pessoa, pois "aquele que começou a boa obra, vai completá-la" (Filipenses 1:6). 

Ultimo e importante lembrete, Finney não acreditava no conceito de pecado original. Ele acreditava que todo ser humano nasce neutro e decide em algum momento de sua vida se vai servir a Deus ou não. Cinqüenta porcento de possibilidades para cada lado". 

Também não acreditava que o sacrifício de Cristo tinha qualquer ação jurídica em nosso favor. Explicando, ele não acreditava que Deus colocou sobre Cristo o castigo que deveria cair sobre nós. Para Finney, a morte de Cristo foi só um exemplo a ser seguido, sem poder redentor. O poder verdadeiro está na decisão de cada pessoa. 

Finney escreveu uma Teologia Sistemática que é muito usada entre os pentecostais, mesmo sendo considerado um tratado praticamente herege, especialmente no que tange a soteriologia (estudo da salvação humana). 

Enquanto as pessoas continuarem olhando para os números apresentados pelo método de Finney, elas não vão perceber o mau que estão causando à causa de Cristo. 

Olhe para a denominação que você frequenta e veja, conte, analise... 



Quantos daqueles que foram a frente estão na igreja hoje???

Quantos que foram batizados estão na igreja hoje???


Quantos daqueles que participaram de reuniões, congressos, encontros, etc... estão na igreja hoje???

A sua igreja tem mais "novos convertidos" do que "velhos convertidos" ???


E os novos "convertidos" estão permanecendo na igreja??? Quanto Tempo???

AGORA RESPONDA SINCERAMENTE

Qual método de evangelismo a sua denominação pratica???


O método da Sã Doutrina dos apóstolos ou o método Emocional e Númérico de Finney???

Pense nisso...

_________________
Ricardo Mendes

Ricardo Mendes

Mensagens : 230
Pontos : 572
Data de inscrição : 23/11/2014
Idade : 54
Localização : rj

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A RELIGIÃO mente e engana os outros e a ELA mesma

Mensagem por Profeta ccb em 23rd Setembro 2015, 12:12 pm

Ricardo Mendes escreveu:

[size=30]C[/size]






DECISIONISMO: Você sabe o que é? Conhece ou já fez????


Por algumas vezes temos falado aqui sobre os resultados "maravilhosos" do evangelismo moderno. Temos escrito sobre as multidões que "aceitam" a Jesus e em poucos meses não podem ser encontradas nas igrejas. Sobre a taxa de "desviados" (falsas conversões) de mais de 80%. Da apatia espiritual de muitos desses "convertidos". Dos muitos que jamais leram as Escrituras (mais de 95% dos crentes). E dos 98% que não fazem evangelismo de forma regular. Mas gostaríamos de falar sobre o pai da criança, digo, do evangelismo moderno, ou jeito de se fazer evangelismo. O grande e pouco estudado, "missionário" Charles Finney.

Antes de mais nada, só queremos deixar claro que essa não é uma discussão sobre arminianismo ou calvinismo. Mas sim sobre decisionismo, que é um assunto um pouco diferente. 

Voltando a Finney, você pode ler uma breve biografia clicando nesse link

Finney é considerado um grande evangelista, o precursor das chamadas cruzadas evangelísticas, das quais a maior expressão foi Billy Graham, declaradamente seguidor dos métodos de Finney. Interessante nota que durante uma entrevista foi perguntado a Graham o que ele pensava quando via as pessoas indo à frente, em reposta ao apelo feito:"penso que de cada quatro pessoas que vêem a frente, três vão se desviar". 

Durante grande parte da história do cristianismo, o evangelismo era feito da seguinte forma: pregava-se a Lei, o Juízo e depois a Graça. A Lei era usada para mostrar que somos pecadores. O Juízo para mostrar que vamos prestar contas a um Deus justo. E a graça como caminho de salvação. Via de regra, apresentava-se o evangelho nessa ordem porque assim ele fazia muito mais sentido. As pessoas eram estimuladas a se arrependerem e colocar sua fé em Jesus Cristo. Mas nenhum ritual específico era feito. A pessoa deveria receber a confirmação de sua eleição diretamente do Espirito Santo, através do trabalho de regeneração. Se você for salvo, vai dar frutos. Se você for salvo, Deus vai te confirmar. A igreja primitiva na verdade demorava um pouco para considerar alguém como salvo e parte do corpo de Cristo. Era difícil de entrar e fácil de sair. 

Um pouco antes de Finney aparecer em cena, alguns começaram a dizer que o batismo era prova da salvação, era algo que confirmava a pessoa como salva. Mas essa crença foi refutada, pois biblicamente, o batismo é um ato público de fé, mas que em si não salva ou confirma a salvação. É uma declaração, mas não a fonte da salvação. 

Com Finney, as coisas mudaram um pouco. Abandonando a antiga teologia do evangelismo, que defendia o Espírito Santo como principal responsável pela salvação do pecador, Finney desenvolve uma nova abordagem, onde o principal responsável pela salvação é o próprio pecador. É ele quem decide se vai ser salvo ou não. Ele é salvo, não porque recebeu a confirmação do Espírito Santo pelo trabalho de regeneração. Ele é salvo porque decidiu ser salvo. É a sua decisão que age como selo confirmatório. E é aí que entra em cena a "oração do pecador" (você já deve ter feito ela). Está implantado então o decisionismo. 

Muitos pastores fazem todas as pessoas da igreja repetirem a oração (inclusive os já convertidos), geralmente no final do culto. É mais ou menos assim:



“Pai, eu sei que tenho transgredido suas leis e meus pecados têm me separado de Ti. Eu realmente sinto muito; agora quero me afastar da minha vida de pecado e me aproximar de Ti. Por favor me perdoe e me ajude a evitar a pecar de novo.
Eu creio que Seu Filho Jesus Cristo morreu pelos meus pecados, ressuscitou dos mortos, hoje vive e escuta minha oração. 

Eu convido Jesus a ser o Senhor da minha vida para reinar em meu coração de hoje em diante. Por favor envie o Espírito Santo para me ajudar a obedecer a Ti e fazer a Sua vontade pelo resto da minha vida. 

Eu abro a porta do meu coração para o Senhor entrar e fazer morada, dirige a minha vida Jesus. Em nome de Jesus. Amém.”

Essa forma de evangelismo se mostrou muito atrativa porque poderia garantir ao pecador sua passagem direta para o céu. Finney começou a usar essa abordagem em seus trabalhos de rua e viu resultados fantásticos. Milhares se "lançavam aos braços do Salvador", pois agora podiam contar com algo que dependia somente deles. Até o dia de hoje, a mensagem e o método de Finney são predominantes no evangelismo moderno. "Venha para Jesus, ele vai te dar paz, alegria, felicidade". "Ele vai resolver seus problemas". "Somente faça essa oração comigo, convide Jesus para entrar em seu coração, e você automaticamente estará salvo". 

Existem vários problemas com essa abordagem e com essa linguagem, especialmente no tocante às Escrituras. Além de não ser uma abordagem bíblica (podemos ver que não é assim que os primeiros cristãos pregavam o evangelho), a linguagem é estranha às Escrituras, não se encontra nada parecido em relação a uma "oração do pecador" com poderes mágicos de garantia ao pecador e também retira do Espírito Santo um de seus desígnios

O método de Finney ainda é muito usado em nossos dias porque possuiu algo que o torna extremamente atrativo:números. Ele provê um dado estatístico mensurável do sucesso de um ministério. É muito mais emotivo, no sentido em que multidões se convertem. Também é muito mais fácil para se angariar fundos para o sustento da obra, pois as pessoas só querem investir naquilo que dê resultados. 


"Quantos convertidos você teve no último mês? Não sei, esse é um trabalho do Espírito Santo. Eu posso falar para quantas pessoas eu preguei o evangelho". 

Essa frase não é muito efetiva quando se vai angariar fundos. 

Mas, pelo contrário, quando a resposta para mesma pergunta é "quinhentas pessoas aceitaram Jesus em seu coração". Numericamente falando, o decisionismo é muito mais atrativo, mesmo não sendo bíblico. Por isso tantospastores e missionários e evangelistas adotam esse métodoTambém porque essa é a única forma como a maioria acha que o evangelismo é feito.
Algo que poucos conhecem são os resultados da obra missionária de Finney. Em visitas feitas um ano depois às comunidades que receberam suas campanhas evangelísticas, descobriu-se que das multidões que "aceitavam Jesus",poucos ainda se encontravam nas igrejas. 


Muitos deles voltaram para seu estado anterior, totalmente voltados para o pecado e outros ainda pior, confirmando o texto que diz "e seu estado final é pior do que o inicial" (2 Pedro 2:20). Também verificaram que essas pessoas se tornaram mais resistente ao evangelho, porque, ou não conseguiram a "vida maravilhosa" que pensavam conseguir, ou tinham a garantia de que eram salvos, pois fizeram uma oração uma vez e "aceitaram Jesus em seu coração".
Podemos ver muito desse quadro nos dias de hoje. 


As pessoas vão para a igreja, ouvem uma mensagem do tipo "venha para Jesus, Ele tem um plano maravilhoso para sua vida", entendem essa idéia de plano maravilhoso de uma forma bem diferente do que diz a Bíblia (os apóstolos experimentaram essa vida maravilhosa, especialmente em sua morte), nada ouvem sobre pecado, arrependimento, ira vindoura. Mal ouvem sobre a graça, que é desconfigurada porque ela perde o sentido quando não é comparada com a ira de Deus, fazem uma oração como se fosse um encanto tirado de Harry Potter que lhes dá a certeza de serem cristãos e dai por diante fazem parte do "povo de Deus". Poucos meses depois, quando chega a tribulação, perseguição, tentação, a pessoa percebe que foi enganada e cai fora. Mais um "desviado". E muitos dos que ficam, que acabam nunca se convertendo, vivem uma vida reprovável para um cristão.

Horas e horas de discipulados são gastas na tentativa de transformar um bode em ovelha. E o máximo que se consegue é uma mudança cosmética, envolta em moralismo.
Precisamos voltar imediatamente para o evangelismo bíblico, que se preocupa menos com os números e mais com a obediência ao Senhor, deixando para que Ele inicie a obra na vida da pessoa, pois "aquele que começou a boa obra, vai completá-la" (Filipenses 1:6). 

Ultimo e importante lembrete, Finney não acreditava no conceito de pecado original. Ele acreditava que todo ser humano nasce neutro e decide em algum momento de sua vida se vai servir a Deus ou não. Cinqüenta porcento de possibilidades para cada lado". 

Também não acreditava que o sacrifício de Cristo tinha qualquer ação jurídica em nosso favor. Explicando, ele não acreditava que Deus colocou sobre Cristo o castigo que deveria cair sobre nós. Para Finney, a morte de Cristo foi só um exemplo a ser seguido, sem poder redentor. O poder verdadeiro está na decisão de cada pessoa. 

Finney escreveu uma Teologia Sistemática que é muito usada entre os pentecostais, mesmo sendo considerado um tratado praticamente herege, especialmente no que tange a soteriologia (estudo da salvação humana). 

Enquanto as pessoas continuarem olhando para os números apresentados pelo método de Finney, elas não vão perceber o mau que estão causando à causa de Cristo. 

Olhe para a denominação que você frequenta e veja, conte, analise... 



Quantos daqueles que foram a frente estão na igreja hoje???
Quantos que foram batizados estão na igreja hoje???


Quantos daqueles que participaram de reuniões, congressos, encontros, etc... estão na igreja hoje???
A sua igreja tem mais "novos convertidos" do que "velhos convertidos" ???


E os novos "convertidos" estão permanecendo na igreja??? Quanto Tempo???

AGORA RESPONDA SINCERAMENTE

Qual método de evangelismo a sua denominação pratica???


O método da Sã Doutrina dos apóstolos ou o método Emocional e Númérico de Finney???

Pense nisso...
paz a todos, tem alguns que se acham dono da verdade e mete o pe pelas mãos e fazem isso:
de um clic abaixo:
http://oulorivallanforumeir.77forum.com/t6499-e-possivel-vir-uma-pregacao-no-pulpito-pela-carne?highlight=carne

_________________
[size=16]Homem  CCB[/size]

Profeta ccb

Mensagens : 359
Pontos : 494
Data de inscrição : 28/09/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum