NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
Outubro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Quem está conectado
74 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 73 Visitantes :: 2 Motores de busca

Jahyr

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4286 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de victoria bulha

Os nossos membros postaram um total de 30035 mensagens em 12968 assuntos

Primeiros três séculos da Igreja: perseguições e triunfos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Primeiros três séculos da Igreja: perseguições e triunfos

Mensagem por Lourival soldado cristão em 19th Março 2016, 5:03 pm

Primeiros três séculos da Igreja: perseguições e triunfos
Na medida em que os anos foram-se passando, depois de sua inauguração no Pentecostes, a Igreja seguiu avançando dentro do Império Romano, crescendo a cada dia, pois o testemunho de fé aliado aos milagres que os descrentes vinham acontecer através da vida dos seguidores do Cristo Ressurreto acabava se tornando isca perfeita. A Igreja, nos primórdios, se alastrava somente entre as classes mais baixas, o que fazia com que artesãos, pequenos negociantes, proprietários de pequenas terras, passassem a pertencer à religião da revolução moral. Mas, como Jesus mesmo disse, que é impossível se ascender uma candeia e ocultá-la na escuridão, a Igreja foi brilhando, brilhando, a ponto de conquistar membros também entre as classes mais elevadas; soldados, pessoas próximas aos governantes e muitos outros tipos de gente se iam achegando ao evangelho.
Pelo fato de a Igreja seguir o Supremo Salvador, isso ia contra aquilo no que acreditavam os romanos, de que o estado era a suprema força e a religião era uma espécie de patriotismo. Por isso, os governantes consideravam os cristãos como anarquistas, uma gente que colocava em risco a hegemonia romana. A partir de Nero (54-68), os cristãos passaram a ser perseguidos e tinham a fé posta à prova pelo estado, que prendiam-lhes e os obrigavam a prestar adoração à estátua do imperador e a participar de cultos pagãos.
A igreja passou a receber maior oposição, quando os romanos perceberam que, apesar das perseguições, o número de cristãos só aumentava, e ainda, os cultos, principalmente a Santa Ceia, eram realizados com portas fechas. Até a primeira parte do III século os ataques aos cristãos eram de caráter local. Depois de experimentar um sossego por certo período de tempo, as perseguições – e de maneira ferrenha– tiveram início no governo de Décio e de mais dois sucessores (250-260), que se propuseram a fazer de tudo para exterminar o Cristianismo do Império.
Nesse período, muitos foram martirizados, e muitos abandonaram a fé. O imperador Galiano, interrompeu a perseguição e deu inicio ao longo período chamado de “Pax Longa” (260-303). Em 331, com o Édito de Tolerância, que foi publicado por Galério.  Dois anos depois, o Édito de Milão, de Constantino e Licínio, imperadores do ocidente e oriente, estabeleceu a liberdade religiosa para todos, quando, de fato, os cristão deixaram de ser perseguidos, pois até então, quem não adorava aos deuses antigos e não seguia as religiões reconhecidas pelo império, era considerado um traidor.
Os períodos de perseguição foram importantes para mostrar quem, de fato, era uma pessoa de fé, o que fazia com que os não crentes se inspirassem a crer através dos cruéis testemunhos deixados pelos mártires, pois os gregos já haviam legado, como foi dito no artigo anterior, o saber de que a alma é imortal, e os cristãos falavam de céu e de inferno no pós-morte.
Falar sobre o avanço da igreja, suas perseguições e vitorias em um breve artigo, não requer grande riqueza de detalhes, apenas o suficiente para transmitir aos leitores, que ao longo dos séculos e milênios, a palavra de Jesus de que “as portas do inferno” jamais iriam “prevalecer contra a igreja”, podem ser testemunhadas pela história e também pela plena existência dela nos dias de hoje, como sendo palavras verdadeiras.
Com a historia da igreja nós aprendemos a nos portarmos de maneira coerente à nossa fé, em respeito a Deus e à aqueles que deram suas vidas pelo que criam, pois Deus trabalhou para a continuidade da Igreja pelos meios mais –ao ver humano– descabidos, mas que evidenciaram a grande verdade de que se somos de Cristo o mundo nos odiará, sempre, pois nossa cultura é de Santidade e não de pecado. No próximo artigo iremos falar um pouco sobre como passou a ser a vida da igreja a partir no período de que vai de vai de 313 a 590 d.C.
Como base para escrita dos artigos, estamos usando o livro “The Growth of the Cristian Church” (“História da Igreja Cristã” – (1997), escrito por Roberto Hastins Nichols, e publicado pela Editora Cultura Cristã.
* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos r
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11156
Pontos : 24610
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 59
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum