NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
Setembro 2014
SegTerQuaQuiSexSabDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930     

Calendário Calendário

Quem está conectado
118 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 117 Visitantes :: 3 Motores de busca

Lourival soldado cristão

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Furl  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Login

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 3842 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de jose antonio ribeiro

Os nossos membros postaram um total de 25804 mensagens em 9880 assuntos

A origem dos Livros Apócrifos (também chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis,

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A origem dos Livros Apócrifos (também chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis,

Mensagem por Lourival soldado cristão em 17th Março 2012, 2:00 pm

http://www.spectrumgothic.com.br/ocultismo/livros/apocrifos.htm











A palavra Apócrifo
vem do grego Apokryphos e significa oculto ou
não autêntico. Mas este termo é usado,
principalmente para designar os documentos do início da
era Cristã, que abordam também a vida e os ensinamentos
de Jesus,
mas não foram inclusos na Bíblia Sagrada por serem
considerados ilegítimos.
A origem dos Livros Apócrifos (também
chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis,
que significa Conhecimento) nos remete ao ano 367 d.C.
Por ordem do Bispo Atanásio de Alexandria, que seguia a
resolução do Concílio de Nicéia ocorrido
em 325 d.C, foram destruídos inúmeros manuscritos
dos primórdios do Cristianismo. Esses documentos eram supostamente
fantasiosos e deturpavam as bases da doutrina Católica
que se estabelecia naquele momento. Porém, cientes da importância
histórica destes papiros originais, os Monges estabelecidos
à margem do rio Nilo, optaram por não destruí-los.
Ao contrário, guardaram os códices de papiros dentro
de urnas de argila e as enterraram na base de um penhasco chamado
Djebel El-Tarif. Ali ficaram esquecidos e protegidos por mais
de 1500 anos.

Em 1945, Mohammed Ali Es-Samman e seus irmãos,
residentes na aldeia de El-Kasr, estavam brincando próximos
ao penhasco, quando encontraram as urnas escondidas durante séculos.
Pensando que se tratava de ouro, acabaram quebrando uma das urnas,
mas só encontraram 13 códices com mais de 1000 páginas
de papiro. Decepcionados, levaram para casa, e sua mãe
chegou a usar alguns papiros para acender o fogo.

Em 1952, o museu Copta do Cairo recebeu os manuscritos
para sua guarda. Faltavam algumas páginas e um códice
fora vendido pela família de Mohammed para o Instituto
Jung, de Zurique. Esses códices passaram a ser chamados
Bíblia de Nag Hammadi, localidade onde fora encontrado
os manuscritos. Antes desta descoberta, só se conheciam
os textos Gnósticos pelas citações de outros
autores. Dos 53 textos encontrados, 40 eram totalmente desconhecidos
da comunidade científica. Estes Manuscritos foram redigidos
em Copta, antiga língua egípcia, que utilizava caracteres
gregos.

Em
1947, dois pastores descobriram em uma gruta próxima ao
Mar Morto, fragmentos e rolos escritos em hebraico. Logo se percebeu
a grandiosidade desta descoberta. Havia textos condizentes com
a Bíblia e outros textos apócrifos. A partir de
então, outras grutas foram sendo encontradas, contendo
muito material em grande parte identificado como sendo do Antigo
Testamento. Até este momento, todas as grutas encontradas
continham material escrito em hebraico e aramaico. Porém,
em 1955 foi descoberta uma gruta que continha papiros e jarros
com escrita em grego. Comprovou-se que se tratavam dos mais antigos
manuscritos já descobertos pelo homem, datados de tempos
anteriores aos dias de Cristo.

Um dos rolos, o mais conservado, apresenta uma
cópia do Livro de Isaías que, ao ser comparado
com as cópias modernas, trouxe a certeza de que não
houve nesses dois milênios, nenhuma alteração
de sua mensagem profética. Encontra-se também O
Manuscrito de Lameque, conhecido como O Apócrifo
de Gênesis
, que apresenta um relato ampliado do Gênesis.
Há ainda A Regra da Guerra, que narra a grande
batalha final entre os filhos da luz e os filhos das trevas; sendo
os descendentes das tribos de Levi, Judá e Benjamim, retratados
como os filhos da luz, e os Edomitas, Moabitas, Amonitas, Filisteus
e Gregos, representados como os filhos das trevas.

Dois
anos após a primeira descoberta, foram encontradas as ruínas
do Mosteiro de Khirbet Qumran, uma propriedade dos Essênios.
Onde provavelmente teriam sido confeccionadas as cópias
das Sagradas Escrituras. Com certeza, pelo mesmo motivo que os
monges de Nag Hammadi enterraram os códices dos Evangelhos
Apócrifos, os essênios esconderam nas grutas de Qumran,
no Mar Morto.

Como vimos, foi através dessas descobertas
que atualmente temos acesso a esses livros Apócrifos que
deveriam, de acordo com a Igreja Católica, ter sido destruídos
há muitos séculos.

Não sabemos exatamente qual o critério
usado pela Igreja para designar os livros que eram apócrifos
ou canônicos (do grego Kanón - catálogo
de Livros Sagrados admitidos pela Igreja Católica
).
Mas provavelmente, era apenas uma conveniência daquela época.
O mais interessante, é que a própria Igreja Católica
reconhece que muitos desses textos foram escritos por autores
sagrados. E por que então não reconhecê-los
como canônicos? E por que tais textos foram perseguidos
e condenados durante séculos?

Atualmente, a Igreja Católica reconhece
como parte da tradição os Evangelhos Apócrifos
de Tiago, Matheus, O Livro sobre a Natividade de Maria, o Evangelho
de Pedro e o Armênio e Árabe da Infância de
Jesus. Mas a maioria dos livros não é reconhecida.
Ao todo são 112 livros, 52 referentes ao Antigo Testamento
e 60 em relação ao Novo Testamento. Dentre eles
estão Evangelhos (como o de Maria Madalena, Tomé
e Filipe), Atos (como o de Pedro e Pilatos), Epístolas
(como a de Pedro à Filipe e a Terceira Epístola
aos Coríntios) e Apocalipses (como de Tiago, João
e Pedro) Testamentos (como de Abraão, Isaac e Jacó).
Além de A Filha de Pedro, Descida de Cristo
aos Infernos
, etc.

Diante de tudo isso, é difícil compreender
como é possível um livro considerado sagrado, ser
além de escrito, formulado pelos homens conforme suas idéias
retrógradas e conveniências políticas e sociais.
É apenas mais um motivo para se contestar a Antiga Igreja
Católica, já tão bem conhecida pela sua "Autoridade
Divina".



[color:8171=754f00]Por
Spectrum
http://www.spectrumgothic.com.br/ocultismo/livros/apocrifos.htm

Lourival soldado cristão

Mensagens: 9747
Pontos: 21127
Data de inscrição: 23/12/2009
Idade: 56
Localização: Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A origem dos Livros Apócrifos (também chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis,

Mensagem por Gideões da CCB-Livre em 17th Março 2012, 8:11 pm

Nobres irmãos a paz esteja convosco, a verdade sobre estes livros e do que fez a ICAR com eles e sua atitude final em repudiá-los, só existe uma explicação: a ICAR sabia de todo o seu conteúdo e tinha plena certeza de que era porcaria, apenas sonhos/desejos e não servia para os planos dos senhores do mundo.

Os senhores do mundo os Iluminatis ou os Cavaleiros Templários da era, sabiam que o conteúdo daqueles livros revelavam um outro rumo da falsa religião que eles criaram, então a destruição destes livros era o mais óbivio a ser feito.

Mas a maior verdade de tudo isto, é que, do ano 33 d.C ao ano 325 d.C não existia cristianismo no mundo, eram apenas o judaismo adoradores do Deus Sol de nomes hebraico Yehowah e o paganismo que adoravam o mesmo Deus Sol Ninrod só que com outros nomes babilonicos, caldeus e gregos.

Os monges fizeram uma seleção dos canônicos e dos apócrifos, aquele que estivesse concordando com a falsa religião que o Imperio estava criando, ficava e seria chamado de canônico;

Mas aquele que não concordasse, seria descartado como apócrifos, fantasiosos demais pro gosto dos senhores do mundo, outra verdade descoberta por arquiólogos recente, é que, os judeus tinham fábricas de escrever livros supostamente sagrados, como os egípcios;

E todos tinham uma mesma sincronização: Deus falando com o povo e prometendo um novo Reino de paz, amor e felicidade, este é o grande motivo de tantos livros sagrados no mundo.

Quem escreveu os papiros na lingua cópta foram os judeus escravo de Faraó, está provado, que a ideia de Deus enviar um homem/Rei como os contos de fadas de David, Salomão e outros reis que nunca existiram no mundo, eram sonhos/desejo de liberdade dos judeus naquele cativeiro horrivel em que a nação vivia.

Porque Deus o Eterno Criador nunca prometeu nenhum Messias Salvador do mundo, para vir morrer por todos, isto é só sonho, desejo de um povo sofrido de tanta guerras e de desgraças vividas a longos anos.

A ideologia do Salvador do mundo, veio do sofrimento de um povo sofrido sem Deus para os socorrer de suas desgraças nas mãos dos Reis tiranos e monstruosos, que governavam o mundo e queriam ser Deus;

Podem analizar, que cada um autor destes livros imagina um Reino diferente do outro mas o foco principal: que o Rei seja um Deus/Avatah que venha do Céu e entre em Jerusalém montado num jumento, mesmo a crença deles sendo unicista ou politeistas.

Vejam o evangelho de Mariamini/Maria Madalena, o Cristo dela é totalmente oposto do Cristo dos cristãos; ela imaginou aquele evangelho, fantasiou aquele senário, é como uma agendo hoje, o que a mocinha deseja ou sonha, ela escreve na sua agenda e assim, são todos os evangelhos, sem excessão.

As maiores provas são os manuscritos de cinco mil anos antes de Cristo, que já falavam desta vinda deste Rei poderoso e salvador do mundo deles, de cada nação: Egipto, Judeus, Gregos etc.

Gideões da CCB-Livre

Mensagens: 383
Pontos: 504
Data de inscrição: 30/11/2010
Idade: 52
Localização: Catanduva SP.

http://gideoes-ccb.forumeiros.com/forum

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A origem dos Livros Apócrifos (também chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis,

Mensagem por marluce terto de lima em 1st Abril 2012, 9:34 pm

aposto apas apostolo eu estou fudo poço mas estou jesus eu estou maravilhada mando abraço pra bispa quero lidiser que amo muito voces mande beça nossa igreja en amaraji

marluce terto de lima

Mensagens: 1
Pontos: 1
Data de inscrição: 25/03/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum