NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
Abril 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Quem está conectado
53 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 53 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4303 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Jose Aparecido Rodrigues

Os nossos membros postaram um total de 30163 mensagens em 13085 assuntos

CONHEÇA A PASTORLATRIA: Que Pecado é Esse?

Ir em baixo

CONHEÇA A PASTORLATRIA: Que Pecado é Esse?

Mensagem por Lourival soldado cristão em 8th Julho 2012, 9:50 am

CONHEÇA A PASTORLATRIA:
Que Pecado é Esse?






(Tradução automática,
pode conter pequenos erros.)
"Pastor, preciso que ore por
mim..." Como pastor, sei por experiência que essa é uma frase muito sincera, mas também
sei que encerra um grave perigo porque reflete a idéia errônea de que os pastores, pelo
mero fato de serem pastores
, estão um degrauzinho mais acima do que os "irmãozinhos" da Igreja
que até chegam a pensar que seja "lógico que os pastores estejam um pouquinho mais perto
de Deus..." Mas entendo que isto já deixou de ser um perigo para converter-se numa
manifestação moderna do velho pecado da idolatria. A "pastorlatria" é uma das piores
formas daquele velho pecado e está trazendo vergonha ao nome do Senhor e desacreditando o
Evangelho de Cristo.


"E o que você faz?" - Perguntará algum outro pastor: "Porque aquele
que estiver sem pecado, que atire a primeira pedra…" Isto é o que faço: Quando alguém me
pede: "Pastor, preciso que ore por mim", é óbvio que o faço; mas não deixo de dizer-lhe:
"Irmão, você tem o mesmo Deus que eu, o mesmo Cristo que eu, o mesmo Espírito Santo que
eu, a mesma Bíblia que eu, a mesma fé que eu. Assim que você tem tanto direito como
qualquer pastor para chegar-se a Deus e reclamar suas promessas. Vou orar, mas você também
deve fazê-lo porque conta com os mesmos recursos que eu tenho". E deixo expresso atestado
de que não faço isto porque considere que eu estou fora da possibilidade de cair nesse
pecado, senão porque preciso defender-me e defender a meus irmãos da "pastorlatria" que
arruína tanto a pastores como a ovelhas…


Está-se dando aos pastores uma posição de preeminência que vai
mais além da medida justa de respeito e autoridade que Deus lhe outorgou. Estou convencido
que se deve demitificar a figura do pastor, e restituir a Cristo ao lugar de
Senhorio que alguns parecem usurpar. Todo pastor verdadeiro tem que ser honesto e
não se interpor jamais entre sua congregação e Deus. Nenhum homem pode substituir a Jesus
e desempenhar o papel de "mediador" entre Deus e os homens.


Todos nós sabemos e ensinamos
que somente há "um mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem" (1 Timóteo 2:5), mas
alguns parecem a ponto de ceder (ou já cederam…) à tentação de pensar que são os Ungidos
especiais do Senhor, homens quase únicos pelos quais necessariamente os "irmãozinhos" têm que
passar se é que vão receber a bênção de Deus. É hora de levarmos em conta o exemplo de
João Batista que, sem ser pastor mas sendo "o maior" entre os nascidos de mulher (Mateus
11:11), teve a grandeza suficiente para declarar frente a Cristo: "É necessário que
Ele cresça, mas que eu diminua" (João 3:30).


A que se deve esta perversão que observamos em certa liderança da
Igreja? Imagino que em parte se deve a que alguns não têm muito claro o seu papel, e
confundem sua função pastoral com a função apostólica. Obviamente, os apóstolos foram
homens dotados pelo Senhor com grande autoridade sobre as doenças, as forças Satânicas, e
o mal em geral. Lembra-se do que aconteceu com Ananias e Safira, Atos 5:1-11?


Mas
recordemos também que até os discípulos caíram em algum momento no erro
de superestimar sua autoridade de maneira que Jesus teve que corrigi-los
duramente: "Então, regressaram os
setenta, possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo
teu nome! Mas ele lhes disse: Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago. Eis aí vos
dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e
nada, absolutamente, vos causará dano. Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos
se vos submetem, e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus.
" (Lucas 10:17-20).


Cool
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11180
Pontos : 24680
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 60
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CONHEÇA A PASTORLATRIA: Que Pecado é Esse?

Mensagem por Lourival soldado cristão em 8th Julho 2012, 9:55 am

É inegável que a autoridade daqueles homens foi grande, mas também
é inegável que não legaram sua autoridade às gerações posteriores. Não existe tal coisa
como a "sucessão apostólica". Aquele foi um grupo pequeno e fechado, porque seu lugar no
plano de Deus era puramente temporário. Efésios 2:20-22 o diz com toda clareza: "Edificados
sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra
angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor,
no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito." Os apóstolos e os profetas cumpriram um ministério fundacional,
deram início ao edifício espiritual que é a Igreja; e por que não se perpetuou seu
ministério? Simplesmente porque este ministério agora não é necessário.



Não temos apóstolos porque, como em qualquer edifício, o
fundamento é um e as paredes são outras. Eles foram o fundamento da Igreja e nós somos
suas paredes. Se olhamos com cuidado esta passagem, observaremos que não é que os apóstolos e os profetas puseram o fundamento, eles são o fundamento! Nós
somos pedras erigidas sobre aquele alicerce inimitável e inamovível, e a tarefa que
nos corresponde não é a de pôr fundamento sobre o fundamento senão a de agregar pedras
vivas ao edifício da Igreja.



Nenhum pastor hoje em dia possui a autoridade que os apóstolos
tinham, simplesmente porque nenhum pastor (nem o melhor deles) forma parte do fundamento
da Igreja; pode e deve ser uma pedra forte e destacada na Igreja, mas fundamento não
pode ser. Pablo agrega um pouco de luz sobre este tema quando em 2 Corintios 12:12
diz: "Pois as credenciais do apostolado foram
apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes
miraculosos."



Os apóstolos tiveram que autenticar sua posição como
tais por meio de obras poderosas, e o fizeram. O fundamento da Igreja foi posto e
certificado com a autoridade e o poder necessários como para garantir a permanência da
Igreja, mas hoje em dia não há nada que certificar nem autenticar. Os planos da Igreja
foram certificados pelo Supremo Arquiteto, e Ele mesmo pôs o melhor fundamento: seus
apóstolos e profetas!



Diga-se de passagem, ainda que aqueles homens foram muito mais
eminentes do que alguns dos "grandes servos" de hoje em dia, nenhum deles teve a idéia
louca de apelidar à Igreja com seu próprio nome. Não existiu tal coisa como "a Igreja de
Paulo… o distrito de Apolo… a Igreja de Pedro…", ainda que a tentação, sim, existiu.
Os Coríntios tinham caído nesse tipo de tolice: "Eu
sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo." (1 Coríntios 1:12).



O apóstolo teve que reprendê-los duramente e
deixar esclarecido este tema a todas as gerações vindouras em 1 Corintios 3:4-8: "Quando,
pois, alguém diz: Eu sou de Paulo, e outro: Eu, de Apolo, não é evidente que andais
segundo os homens? Quem é Apolo? E quem é Paulo? Servos por meio de quem
crestes, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um. Eu plantei, Apolo regou; mas
o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega,
mas Deus, que dá o crescimento. 8 Ora, o que planta e o que rega são um; e cada um
receberá o seu galardão, segundo o seu próprio trabalho."
À luz do versículo 7 o que rega e o que planta são uma mesma coisa, são nada!
Seria muito saudável que nós, pastores, não deixássemos de relacionar esta passagem com o
exemplo de João Batista…



Ninguém pode demonstrar que a autoridade apostólica passou à
Igreja de todos os tempos, simplesmente porque a tarefa que lhes tocou cumprir aos
apóstolos (e aos profetas) terminou-se quando o fundamento da Igreja foi posto.



Frente ao fato de que atualmente não há apóstolos, a pergunta
lógica é onde está hoje a autoridade espiritual? Após aquela época a autoridade espiritual
não residiu nem reside em nenhum homem senão na palavra apostólica, nas Escrituras. Aquele pastor que é "poderoso nas Escrituras" poderá ter um ministério poderoso e
autêntico. O que se rege por outros parâmetros poderá quiçá reunir muita gente, fazer
"grandes coisas", ter "sucesso", mas o seu ministério não será outra coisa que um movimento meramente
humano e carnal, sem transcendência eterna.



Jesus previu que alguns pastores tratariam de
desenvolver seus ministérios sobre uma base equivocada, e fez esta advertência: "Muitos,
naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu
nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?
Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais
a iniqüidade. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será
comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha." (Mateus 7:22-24).



Hoje em dia a autoridade espiritual está depositada na palavra
apostólica, nas Escrituras. Ela e sua autoridade é a que faz nascer de novo à vida
espiritual (1 Pedro 1:23-24), gera fé no coração (Romanos 10:17), edifica a vida
espiritual (Atos 20:20), santifica aos crentes (João 17:17), penetra como espada do
Espírito no duro coração do homem (Efésios 6:17, Hebreus 4:12), etc, etc. Os homens,
pastores ou não, podem ter um ministério poderoso e frutífero na medida que entendem,
crêem, obedecem e compartilham a Palavra de Deus.



Entende agora por que eu disse a princípio que era necessário
demitificar a figura do pastor? Nunca houve nem haverá super-pastores ou
super-servos de Dios, Não existem os "super-servos" de Deus! Deus não atende
exclusivamente no escritório de nenhum pastor, Deus não está ao serviço de nenhum pastor.
Quando alguns fazem alarde do tamanho de sua Igreja e da magnitude de suas "milagres" ou
minimizam seus erros (ou pecados) à luz da assistência a suas reuniões ou das obras que
realizam, estão demonstrando sua mediocridade pessoal e o longe que estão do coração de
Cristo quem "não veio para ser servido senão para servir, e para dar sua vida por muitos"
(Marcos 10:45).



Pastores, revisemos nossa vida a fundo. Abramos a Bíblia, mas não
como o fazemos habitualmente (para pregar a outros…), senão para checar, avaliar, sob sua luz o
ministério que Deus nos deu, o tempo e os dons que nos deu. Se é necessário
arrependamo-nos da "pastorlatría" naquele ponto em que tenhamos caído, sejamos francos com nossos "irmãozinhos"
(diminutivo que aborreço porque sugere que na Igreja de Cristo há "irmanzarrões"…) e
edifiquemo-los para que sejam crentes Cristo-dependentes e não pastor-dependentes. Cumpramos dignamente com o papel que Efésios 4 nos aponta, o de "
aperfeiçoar aos santos para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo… ",
coisa que alguns pastores não fazem porque parece que têm medo de que seus "irmãozinhos"
cresçam e os desloquem de seu lugar.



Uma palavra final aos membros de Igreja que estão lendo estas
palavras. Este artigo não tem o propósito de gerar rebeliões ou revoluções na Igreja,
porque a Bíblia ensina que os pastores receberam autoridade de parte de Deus e os membros
da Igreja devem obedecer-lhes e sujeitar-se a eles (Hebreus 13:7, 17; 1 Timóteo 5:17-18;
etc.). Mas a Bíblia também diz que se um ancião ("ancião" aqui não se refere a um homem de
idade madura, senão a um pastor) persiste em pecar deve ser repreendido publicamente (1
Timóteo 5:19-20). Por quê? Porque a autoridade dos pastores permanece vigente só
enquanto ele não cai em erros de doutrina ou de conduta. O pecado e o ensino falso tiram
tanto a bênção de Deus como a autoridade espiritual.



Termino com as memoráveis palavras do apóstolo Pedro: "Rogo,
pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos
sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai
o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como
Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos
foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se
manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória." (1
Pedro 5:1-4).



"...E estamos no Verdadeiro, em seu
Filho Jesucristo. Este é o Verdadeiro Deus, e a vida eterna. (1ra. Juan 5:20)". -- EC.



Leia também:
http://www.adventistas.com/janeiro2004/pastorlatria_portugues.htm
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11180
Pontos : 24680
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 60
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum