NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
Abril 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Quem está conectado
61 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 61 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4303 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Jose Aparecido Rodrigues

Os nossos membros postaram um total de 30163 mensagens em 13085 assuntos

SOBRE PROFETAS, SACERDOTES E REIS (NÃO TOQUEIS NOS MEUS UNGIDOS, PARTE 2)

Ir em baixo

SOBRE PROFETAS, SACERDOTES E REIS (NÃO TOQUEIS NOS MEUS UNGIDOS, PARTE 2)

Mensagem por Lourival soldado cristão em 28th Maio 2013, 7:01 pm


SOBRE PROFETAS, SACERDOTES E REIS

(NÃO TOQUEIS NOS MEUS UNGIDOS, PARTE 2)

No afã de se tornarem imunes a qualquer questionamento ou crítica, muitos “homens de Deus” dos nossos dias abrem suas bocas de forma presunçosa e antibíblica para reivindicar seus direitos de intocabilidade, admoestando seus opositores a que “não toquem nos ungidos do Senhor!” e vociferando pragas e maldições contra quem se atreve a desobedecer à orientação “bíblica”. Aqui em João Pessoa, aonde moro, a mais recente ocorrência foi a de um pastor que, segundo divulgado e corrido à boca miúda, abandonou a esposa e “casou-se” com uma jovem de 16 anos. Como está todo mundo “caindo em cima”, há poucos dias ele subiu ao púlpito de sua igreja para defender o indefensável e exigir o respeito e a imunidade de ungido que acredita possuir.

Estes “neoungidos” são muito engraçados! Eles se enxergam como ungidos do Senhor, nos moldes da unção ministrada aos primeiros reis de Israel, e graças a esta suposta unção e ao fato de se acharem igualmente reis e sacerdotes da Igreja, julgam-se superiores aos profetas e intocáveis em tudo. Acham que podem pisar na Bíblia, deturpar a sã doutrina e fazer o que bem lhes der na telha. Além de tudo isso, ainda se recusam a ser admoestados ou questionados, como se uma unção do alto lhe concedesse esta prerrogativa de intocabilidade. Será??

Cada macaco no seu galho, certo? Então, é necessário conhecer as três funções ministeriais, que iniciaram no Antigo Testamento e perduram até os dias de hoje do ministério da Igreja na Nova Aliança: profetas, sacerdotes e reis.

OS PROFETAS ― O primeiro ministério criado por Deus em Seu reino foi o ministério profético. Muito antes do estabelecimento da Antiga Aliança Deus já tratava Abraão como profeta, divulgando isto entre as nações (Gn 20:7). Aliás, o texto “não toqueis nos meus ungidos e não maltrateis os meus profetas” trata exatamente dos patriarcas, que necessitavam da proteção de Deus para a sua sobrevivência e para a formação de um povo. Quando Deus fala a Moisés que ele, Moisés, seria diante de Faraó como Deus e Arão como seu profeta (Ex 7:1) mostra que o profeta é uma espécie de porta-voz de Deus. O porta-voz jamais fala suas próprias palavras, e sim repete as palavras de Deus em linguagem compreensível ao povo, muito diferente de muitos “profetas” de hoje, que falam coisas arrogantes, coisas que Deus não mandou falar e que contrariam frontalmente os princípios da Palavra de Deus. Some-se a isto os controversos "atos proféticos", onde o homem profetiza o que bem quer, segundo a sua própria vontade, como se a profecia fosse um ato humano sobre as quais Deus tem que concordar, e não um mero repetir das palavras ditas por Deus!

Na igreja, o ministério profético perdura como um dom do Espírito Santo (1 Co 12:8-11; 12:29) ou como um ministério de chamada da Igreja à observância da Palavra (Ef 4:11). Seu ministério se revela no âmbito espiritual, através da revelação do Espírito Santo acerca de coisas futuras (At 11:28; At 21:10-11), ou no âmbito ministerial, no aspecto de corrigir erros e distorções em relação às Escrituras (Gl 2:11; At 8:18-24). Há outros aspectos, mas que não trataremos neste artigo.

Se observarmos que os profetas do AT geralmente profetizavam o arrependimento do povo, sua volta à prática daquilo que Deus determinou em Sua Palavra com regra de vida, conduta e prática, podemos considerar que tal ministério na Igreja não perdeu a característica apologética. Assim, aqueles a quem Deus concedeu o conhecimento das Escrituras e a intrepidez para defender a sã doutrina é um profeta de Deus na defesa da Palavra.

OS SACERDOTES ― O ministério sacerdotal foi criado com o advento da Antiga Aliança. Arão e seus descendentes foram escolhidos por Deus para ministrarem todos os ofícios de mediação entre os homens e Deus. Com o advento de Jesus Cristo, que embora não fizesse parte do ministério levítico tornou-se sacerdote e mediador da Nova Aliança, Ele se tornou o ÚNICO mediador entre Deus e o homem (1 Tm 2:5), de sorte que nenhum sacerdócio, por melhor ou mais privilegiado que seja, pode exigir a prerrogativa que pertence unicamente ao Filho de Deus. Quando Deus, pelos méritos da Nova Aliança em Cristo Jesus, nos constituiu sacerdotes (Ap 1:6; 5:10), eliminou a necessidade de sacerdotes no meio da Igreja. Os pastores não são sacerdotes no sentido de mediação; são apenas guias do rebanho, aqueles que Deus designou para cuidar das ovelhas dEle e procurar desenvolver em cada uma delas o ministério sacerdotal que Deus deu a todos.

OS REIS ― O ministério real se aplica a pessoas especiais, escolhidas e ungidas por Deus para governar o Seu povo. Seria, a grosso modo, o pastor da Igreja, que é posto diante do povo para administrar, conduzir e ensinar o povo como devem viver, aos moldes da Palavra de Deus. É a pessoa que Deus colocou para zelar pela observância das Escrituras. Se observarmos a vida de muitos reis, vemos que Deus os ungiu e colocou em evidência para que pudessem preservar a observação da Palavra de Deus. Saul foi rejeitado após desobedecer à Palavra, mesmo que com a melhor das intenções (1 Sm 15:12-31). Logo, é fácil compreender o dito popular que afirma que “de boas intenções o inferno está cheio”. Não foi dado ao rei o direito de ter boas intenções, e sim o dever de zelar pelo cumprimento da Palavra do Senhor. Eis o grande problema. Nem todos querem se submeter aos reais propósitos ministeriais de ungido...

ENTENDENDO AS COISAS ― Com o advento da Nova Aliança, as coisas mudaram! A Escritura afirma que Deus constituiu os crentes como reis e sacerdotes (Ap 1:6; 5:10), e a alguns como profetas (Ef 4:11; 1 Co 12:28-31).

Num sentido mais contextualizado das coisas, comparando estes três ministérios aos poderes da República, Deus é o poder legislativo (o único que pode ditar leis e normas, e que já o fez através das Escrituras), o rei seria o presidente (poder executivo), os sacerdotes e os profetas seriam o poder legislativo no sentido de fiscalização dos atos do executivo, e nunca no âmbito de criar novas leis e normas para o povo de Deus. Só Ele tem esta prerrogativa!

Se analisarmos as funções no Antigo Testamento, vemos que cada ministério tem a sua abrangência, e se completam entre si. Além do mais, um não pode ministrar as obras dos outros, e ao mesmo tempo um depende dos outros, e aos outros deve estar submisso

Vejamos: o rei Saul foi reprovado por ter apresentado sacrifícios a Deus, que era da exclusiva competência de Samuel, juiz (precursor dos reis), profeta e sacerdote naquele conturbado período de transição entre o ministério dos juízes e a implantação da monarquia (1 Sm 13:8-14). O rei Urias foi severamente repreendido porque queria fazer a ministração sacerdotal, e por causa desta desobediência foi ferido com lepra (2 Cr 26:16-21).

É interessante observar que NENHUM rei em Judá ou Israel, exceto Saul (1 Sm 10), Davi (1 Sm 16) e Jeú (1 Rs 19:16), foram ungidos. Estes três e suas unções são razão de um outro artigo, mas posso adiantar que a unção de Saul e Davi se deu em função da transição entre o ministério de Samuel e a implantação do reino (inclua-se aí a rejeição de Saul e a eleição de Davi), e a de Jeú como quebra de uma dinastia em Israel e a aniquilação da casa de Acabe.

Também é bom entender que não é somente o rei que é ungido do Senhor. Tanto os profetas quanto os sacerdotes também detêm a mesma unção divina, e jamais podem ser considerados inferiores aos primeiros. Ou seja: reis, vocês não podem se considerar os únicos ungidos do pedaço! O primeiro passo para que a unção real seja aceita em vocês, é o reconhecimento da unção existente nos profetas e sacerdotes!

Analisando o ministério real em comparação com os ministérios sacerdotal e profético, vemos que o rei está sempre sujeito à repreensão destes dois representantes de Deus. Ele não é mais “ungido” que o profeta ou que o sacerdote, e nem a sua unção lhe concede qualquer prerrogativa de intocabilidade ou infalibilidade.

Vejamos a relação entre os reis e os profetas: Saul, embora intocável, foi repreendido diversas vezes por Samuel, foi ameaçado de perda do reino. Davi, homem segundo o coração de Deus, foi duramente repreendido por Natã quando cometeu adultério e homicídio.

E a relação entre sacerdotes e reis? Não é diferente. O sacerdote Aquimeleque ergueu sua voz e questionou o rei Saul (1 Sm 22). O rei Uzias foi repreendido pelo sumo sacerdote Azarias, e com ele mais oitenta sacerdotes do Senhor (2 Cr 26:16ss), que o repreenderam pelo fato de, engrandecendo-se, querer suplantar a Palavra de Deus.

Ou seja: de onde foi que os "reis da cocada preta do Século XXI" tiraram a ideia que profetas e sacerdotes não podem questioná-los, repreendê-los, confrontá-los, SEMPRE à luz das Escrituras, como faziam os profetas e sacerdotes antigos?

Assim, é possível compreender e contextualizar para nossos dias as palavras de Jesus Cristo: "Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios (teólogos, ou defensores da sã doutrina apostólica) e escribas (blogueiros?); e, a uns deles, matareis e crucificareis; e a outros deles, açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis, de cidade em cidade" (Mt 23:34 - parênteses meus). Os "reis da igreja" continuam a fazer hoje o mesmo que já faziam seus ancestrais do tempo do Mestre!

Dá para compreender claramente que o pastor (ou o rei, como queiram!), embora ungido de Deus, nem é o único ungido da igreja, nem detém a melhor ou mais importante unção e nem esta unção o torna imune às críticas, sempre que a sua conduta se afastar dos princípios da Palavra do Senhor. Portanto, amado pastor, submeta-se ao ministério profético e sacerdotal existente na igreja, antes que, como fez a Saul, o Senhor rasgue de ti o reino que tu PENSAS que é teu!http://esquizilton.blogspot.com.br/2011/10/sobre-profetas-sacerdotes-e-reis.html
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11180
Pontos : 24680
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 60
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum