NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Janeiro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Quem está conectado
88 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 88 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 4298 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Amílcar Pona

Os nossos membros postaram um total de 30124 mensagens em 13047 assuntos

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil

Mensagem por Lourival soldado cristão em 12th Setembro 2013, 1:47 pm

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil
Por Abner Ferreira

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil
Evangélicos não são traficantes, assim como — e a grande imprensa dita “progressista” pode desistir que não me convence do contrário — os evangélicos jamais apregoaram a intolerância e o preconceito, mesmo com as exceções costumeiras. Falo caros leitores, da denúncia da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) feita ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), de que “traficantes evangélicos” (uma definição que beira o mais vil preconceito religioso), estão proibindo em Vaz Lobo e em Vicente de Carvalho, na zona norte do Rio, que religiões de matriz africana mantenham seus cultos nas comunidades.
Este órgão, Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), está pedindo a instauração de inquérito, pois vários centros espíritas estariam sendo invadidos por pessoas que dizem ser do tráfico, ou — se traficantes não são — que dizem ser evangélicos, expulsando fiéis e ameaçando pessoas por usarem roupa branca. Vejam lá! Mais parece História da Carochinha. Ou ainda: mais um golpe da militância anticristã. Talvez: a militante favorável à descriminação das drogas tenta convencer as autoridades que até evangélicos se beneficiam com o tráfico. Quanta calunia e mentira! Quanta ignorância e malignidade em um só tema. Sigamos ao ponto.
São incompatíveis estas duas realidades: o fato do sujeito ser traficante e, ao mesmo tempo, evangélico. Aliás, não existe qualquer possibilidade de um evangélico ter qualquer tipo de ligação com o tráfico. Ou ainda: Jamais Deus livraria um político corrupto de ser cassado. São falácias e ignorâncias absurdas. Sou reacionário em qualquer tema que abranja os costumes éticos sociais e a moral cristã. Aliás, entendo que os cristãos são reacionários e contramajoritários em qualquer tema progressista na imprensa atual. Nosso guia de fé e prática é a Bíblia Sagrada.
São os evangélicos quem mais lutam para impedirem a legalização das drogas no novo Código Penal. Que fique claro: evangélico não é traficante e líder cristão não tem qualquer ligação com criminoso. Esta história de que o Ministério Público poderá convocar os pastores e integrantes de religiões afro, das localidades que supostamente estaria ocorrendo o fato, para fazerem um Termo de Ajustamento de Conduta (TACs) mais parece campanha visando difamar, injuriar e caluniar a igreja evangélica no Brasil. Quem sabe o Ministério Público está sendo instigado e insuflado a pretender instaurar uma perseguição evangélica no Rio, visando tentar barrar o crescimento das igrejas evangélicas brasileiras.
Explico: as TACs são documentos assinados por partes que se comprometem, perante os procuradores da República, a cumprirem determinadas condicionantes, de forma a resolver o problema que estão causando ou a compensar danos e prejuízos já causados. Quais os danos que, comprovadamente, os líderes evangélicos da região estariam causando aos fieis de religiões afro? Ou: as religiões de matrizes africanas pretendem que as igrejas evangélicas patrocinem seus cultos? Ou ainda: a competência, o assíduo e perseverante trabalho da igreja evangélica no atendimento as comunidades faz desta igreja um órgão responsável por atos de violência contra outras religiões?
Jamais, sob nenhuma hipótese, o povo evangélico deve ser considerado intolerante ou preconceituoso. O dado inquestionável, no entanto, é que pelo menos 105 mil pessoas, só no ano passado, foram mortas pelo simples fato de se declarar cristão. Já no Brasil, existe um ativo preconceito anticristão, principalmente nos órgãos sociais e na imprensa.
Mas pergunto: qual a real intenção da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), ao tentar responsabilizar os líderes evangélicos por uma ação do crime organizado? Isto é uma desculpa estapafúrdia de quem tenta a todo custo manchar a imagem da liderança cristã, seja por motivação política, religiosa ou simplesmente pelo mérito da luta do pequeno contra o grande. Neste caso do pequeno grupo dos religiosos de raiz afro contra a poderosa e crescente igreja evangélica brasileira.
Cansei de ler na imprensa brasileira, americana, espanhola, italiana, de todo o mundo, textos que relacionam os evangélicos a criminosos, estupradores, pedófilos, promíscuos, ignorantes e outros adjetivos que não vale lembrar. Eu sei que o mais trágico nesta história ainda está por vir. Nada que me escandalize, mas a incompetência de muitos órgãos públicos não se caracteriza apenas pela falta de ética, mas também pela falta de argumentos.
Há gente muito interessada na ambição de desconstruir a imagem da igreja evangélica. Não me impressiona que essa gente tenta e tenha conseguido vender essa imagem a imprensa. Vejam que não precisam de muito esforço para publicarem este tipo de pauta na mídia secular brasileira. O fato é que evangélico não trafica, não rouba, não mente, não posa pelado, não denigre nem chuta a imagem de ninguém.
Jamais apoiamos e apoiaremos qualquer ato de intolerância e preconceito de qualquer espécie. Até porque somos as maiores vítimas desta sórdida, maligna e inconsequente intolerância religiosa ao longo de toda nossa existência.
* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores
e não refletem, necessariamente, a opinião do Gospel Prime.

Imprimir Enviar por email









autor

Abner Ferreira

Cristão, advogado, esposo, imortal da Academia Evangélica de Letras do Brasil, pastor presidente da Assembleia de Deus em Madureira – Rio de Janeiro.
+ artigos
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11180
Pontos : 24680
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 60
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil Por Abner Ferreira

Mensagem por Lourival soldado cristão em 12th Setembro 2013, 2:32 pm

Lourival soldado cristão escreveu:Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil
Por Abner Ferreira

Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil
Evangélicos não são traficantes, assim como — e a grande imprensa dita “progressista” pode desistir que não me convence do contrário — os evangélicos jamais apregoaram a intolerância e o preconceito, mesmo com as exceções costumeiras. Falo caros leitores, da denúncia da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) feita ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), de que “traficantes evangélicos” (uma definição que beira o mais vil preconceito religioso), estão proibindo em Vaz Lobo e em Vicente de Carvalho, na zona norte do Rio, que religiões de matriz africana mantenham seus cultos nas comunidades.
Este órgão, Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), está pedindo a instauração de inquérito, pois vários centros espíritas estariam sendo invadidos por pessoas que dizem ser do tráfico, ou — se traficantes não são — que dizem ser evangélicos, expulsando fiéis e ameaçando pessoas por usarem roupa branca. Vejam lá! Mais parece História da Carochinha. Ou ainda: mais um golpe da militância anticristã. Talvez: a militante favorável à descriminação das drogas tenta convencer as autoridades que até evangélicos se beneficiam com o tráfico. Quanta calunia e mentira! Quanta ignorância e malignidade em um só tema. Sigamos ao ponto.
São incompatíveis estas duas realidades: o fato do sujeito ser traficante e, ao mesmo tempo, evangélico. Aliás, não existe qualquer possibilidade de um evangélico ter qualquer tipo de ligação com o tráfico. Ou ainda: Jamais Deus livraria um político corrupto de ser cassado. São falácias e ignorâncias absurdas. Sou reacionário em qualquer tema que abranja os costumes éticos sociais e a moral cristã. Aliás, entendo que os cristãos são reacionários e contramajoritários em qualquer tema progressista na imprensa atual. Nosso guia de fé e prática é a Bíblia Sagrada.
São os evangélicos quem mais lutam para impedirem a legalização das drogas no novo Código Penal. Que fique claro: evangélico não é traficante e líder cristão não tem qualquer ligação com criminoso. Esta história de que o Ministério Público poderá convocar os pastores e integrantes de religiões afro, das localidades que supostamente estaria ocorrendo o fato, para fazerem um Termo de Ajustamento de Conduta (TACs) mais parece campanha visando difamar, injuriar e caluniar a igreja evangélica no Brasil. Quem sabe o Ministério Público está sendo instigado e insuflado a pretender instaurar uma perseguição evangélica no Rio, visando tentar barrar o crescimento das igrejas evangélicas brasileiras.
Explico: as TACs são documentos assinados por partes que se comprometem, perante os procuradores da República, a cumprirem determinadas condicionantes, de forma a resolver o problema que estão causando ou a compensar danos e prejuízos já causados. Quais os danos que, comprovadamente, os líderes evangélicos da região estariam causando aos fieis de religiões afro? Ou: as religiões de matrizes africanas pretendem que as igrejas evangélicas patrocinem seus cultos? Ou ainda: a competência, o assíduo e perseverante trabalho da igreja evangélica no atendimento as comunidades faz desta igreja um órgão responsável por atos de violência contra outras religiões?
Jamais, sob nenhuma hipótese, o povo evangélico deve ser considerado intolerante ou preconceituoso. O dado inquestionável, no entanto, é que pelo menos 105 mil pessoas, só no ano passado, foram mortas pelo simples fato de se declarar cristão. Já no Brasil, existe um ativo preconceito anticristão, principalmente nos órgãos sociais e na imprensa.
Mas pergunto: qual a real intenção da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), ao tentar responsabilizar os líderes evangélicos por uma ação do crime organizado? Isto é uma desculpa estapafúrdia de quem tenta a todo custo manchar a imagem da liderança cristã, seja por motivação política, religiosa ou simplesmente pelo mérito da luta do pequeno contra o grande. Neste caso do pequeno grupo dos religiosos de raiz afro contra a poderosa e crescente igreja evangélica brasileira.
Cansei de ler na imprensa brasileira, americana, espanhola, italiana, de todo o mundo, textos que relacionam os evangélicos a criminosos, estupradores, pedófilos, promíscuos, ignorantes e outros adjetivos que não vale lembrar. Eu sei que o mais trágico nesta história ainda está por vir. Nada que me escandalize, mas a incompetência de muitos órgãos públicos não se caracteriza apenas pela falta de ética, mas também pela falta de argumentos.
Há gente muito interessada na ambição de desconstruir a imagem da igreja evangélica. Não me impressiona que essa gente tenta e tenha conseguido vender essa imagem a imprensa. Vejam que não precisam de muito esforço para publicarem este tipo de pauta na mídia secular brasileira. O fato é que evangélico não trafica, não rouba, não mente, não posa pelado, não denigre nem chuta a imagem de ninguém.
Jamais apoiamos e apoiaremos qualquer ato de intolerância e preconceito de qualquer espécie. Até porque somos as maiores vítimas desta sórdida, maligna e inconsequente intolerância religiosa ao longo de toda nossa existência.

* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores
e não refletem, necessariamente, a opinião do Gospel Prime.

Imprimir Enviar por email







autor

Abner Ferreira

Cristão, advogado, esposo, imortal da Academia Evangélica de Letras do Brasil, pastor presidente da Assembleia de Deus em Madureira – Rio de Janeiro.
+ artigos
avatar
Lourival soldado cristão

Mensagens : 11180
Pontos : 24680
Data de inscrição : 23/12/2009
Idade : 60
Localização : Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil

Mensagem por RENATO em 13th Setembro 2013, 9:56 am

Atualmente o rotulo de evangélico não soa mais como sendo de uma pessoa separada das concupiscências, haja visto os diferentes seguimentos evangélicos.
Dessa forma também não há de se estranhar o avanço dos tentáculos do trafico e também do crime organizado em direção as instituições religiosas.
Antigamente ser evangélico era ser uma pessoa presa a princípios e limitada as doutrinas das sagradas escrituras, aonde o progresso e as conquistas matérias eram relevadas, a fim de buscar o único objetivo da salvação da alma.
Hoje o que vemos é uma pregação do evangelho sem compromisso, e uma intensa competição entre as instituições religiosas por membros, aonde as lideranças lutam para se manterem no topo do poder a fim de desfrutar dos lucros e também das honrarias que o poder proporciona.
avatar
RENATO

Mensagens : 978
Pontos : 1469
Data de inscrição : 18/05/2010
Idade : 52
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Evangélicos nunca foram traficantes. Somos a maior vitima da intolerância religiosa no Brasil

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum