NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Outubro 2014
SegTerQuaQuiSexSabDom
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Quem está conectado
74 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 73 Visitantes :: 2 Motores de busca

Lourival soldado cristão

O recorde de usuários online foi de 473 em 30th Agosto 2014, 11:05 pm
Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Furl  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de <a href="http://oulorivallan.forumeiros.com/">nas pegadas do mestre JESUS</a> em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de NAS PEGADAS DO MESTRE JESUS em seu site de social bookmarking

Login

Esqueci minha senha

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Votação
Estatísticas
Temos 3848 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de marlene santos

Os nossos membros postaram um total de 26016 mensagens em 9999 assuntos

Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Mensagem por Lourival soldado cristão em 17th Novembro 2013, 4:17 pm



O irmão Marcelo Ferreira, ex-membro da Congregação Cristã no Brasil – CCB e autor do livro “Por Trás do Véu”, concedeu uma entrevista ao blog PORTALCCB; onde fala sobre o centenário da CCB; do Livro, evidentemente; da vida extra-CCB e do seu ingresso na Igreja Batista em São Paulo.
O “Lutero da CCB”, como gosto de chamá-lo, porque o episódio da reunião de Marcelo com o Conselho de Anciães ocorrido no Brás (sede da CCB), lembra-me muito uma cena do filme “LUTERO” na qual o reformador é levado na presença do Papa. Nessa audiência com o Líder Máximo da Igreja Romana, Lutero deveria apenas ouvir Sua Santidade o Papa e após deferido uma sentença dizer apena uma palavra – REVOCO – renunciando suas obras e reconhecendo a soberania e a infabilidade da Mãe-Igreja; porém, Lutero começa a interrogar o Sacerdote que não sabe replicar-lhe e enfurecido toma uma decisão arbitrária.
Recomendo o Livro “Por Trás do Véu” porque é o maior registro escrito de nossa história. Admirador do escritor, estou agora decepcionado com o falador. A declaração que o batismo ministrado na CCB “não é bíblico nem cristão” choca, até mesmo, os membros da CCB simpatizantes de Marcelo Ferreira:
Portal – Primeiramente, como tem sido esses dias, após sua exclusão da CCB, você se tornou membro de alguma igreja ou comunidade cristã?
M. F. – Tem sido dias muito abençoados, de crescimento espiritual e de novos desafios para a glória de Deus. Hoje sou membro de uma Igreja Batista em São Paulo.
Portal – Soubemos que você foi batizado nesta igreja, é verdade? Porque?
M. F. – Sim, é verdade. Após analisar profundamente as doutrinas da CCB e refletir sobre a Palavra de Deus, cheguei a conclusão que não havia recebido um Batismo bíblico cristão, portanto, não havia cumprido o mandamento do Senhor Jesus de forma consciente, bíblica e correta.
O motivo é simples, a CCB prega e realiza um batismo para “perdão de pecados” e “para a salvação da alma”, e isto não é o que o Evangelho ensina.
O Batismo cristão é para os salvos, para os que nasceram de novo, sendo um mandamento do Senhor e um testemunho público para a Igreja daquilo que Jesus Cristo já operou em sua vida através de Sua Obra consumada na cruz do Calvário. Quem perdoa pecados e nos dá a salvação é o Senhor, não o ato do Batismo. (João 3.16; 1 João 1.7)
Verdadeiramente o batismo não perdoa os pecados, não salva e nem complementa a salvação. O batismo é uma obra visível ministrada pelo homem que simboliza a obra invisível ministrada pelo Espírito Santo; mesmo havendo dificuldades para nossos ministros entendê-lo assim, não podemos de forma alguma dizer que não é válido porque invocando a autoridade do Senhor Jesus fomos batizados Em Nome do Pai,  do Filho e do Espírito Santo.
Ora sempre defendi com base bíblica a validade dos batismos efetuados em outras igrejas evangélicas e condenei o rebatismo obrigatório na CCB, agora deverei ser apologeta e defender o batismo da CCB, e, ironicamente, de um ex-membro que batalhava comigo. O batismo da CCB é bíblico e válido; não é  melhor e nem pior que teu último batismo, irmão Marcelo.
O ponto 5° da Confissão de Fé (oficial) da CCB diz: Nós cremos que a regeneração [justificação, santificação e redenção] ou o novo nascimento, só se recebe pela fé em Jesus Cristo. O ponto que fala do batismo nas águas é o 6° que só fala da fórmula e condição – Nós cremos no batismo na água com uma só irmersão, em Nome de Jesus Cristo (At 2:38) e em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28:18,19).
O ponto nº 7  fala de um outro batismo – Nós cremos no batismo do Espírito Santo, com evidência de novas línguas, conforme o Espírito Santo concede que se fale. (At 2:4; 10:45-47: 19:6); Pergunto: irmão Marcelo renunciaste também a este batismo? Porque os batistas históricamente são opositores dos pentecostais e não creêm neste batismo para atualidade. O irmão dirá a eles que estão errados escrevendo um livro sobre os Dons Espirituais? O caro irmão tem liberdade de manifestar o dom de línguas nos templos batista? Aí entre os batistas o irmão falará em línguas ou se calará?
Marcelo rasgou o véu;
Eu, Ricardo, rasgo o verbo;
Muitos rasgarão o livro. http://bereiano.wordpress.com/page/12/?archives-list&archives-type=tags

Lourival soldado cristão

Mensagens: 9875
Pontos: 21405
Data de inscrição: 23/12/2009
Idade: 56
Localização: Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Mensagem por Lourival soldado cristão em 17th Novembro 2013, 4:34 pm

Pergunto: irmão Marcelo renunciaste também a este batismo? Porque os batistas históricamente são opositores dos pentecostais e não creêm neste batismo para atualidade. O irmão dirá a eles que estão errados escrevendo um livro sobre os Dons Espirituais? O caro irmão tem liberdade de manifestar o dom de línguas nos templos batista? Aí entre os batistas o irmão falará em línguas ou se calará?

Irmãos fiquei aqui pensando ,mas o que os dons de novas línguas teve que ser mencionado aqui ?

Não aparece um Cristão que tem a coragem de dizer que mesmo que a bíblia na carta de Paulo quando fala do Don de novas línguas e a sua eficacia ,e fala da necessidade de um que interprete ,e se não tiver tem que ficar calado ,mas não esse pessoal só pensa em falar Kalamanaia ,eu fico zonzo ,quando ouço só os Riiiaaaaa kalamanaia e não tem quem interprete o que está sendo falado ,agora imagina os irmãos Batistas ouvindo um coro de fala sem interpretação nenhuma ?





"O que é o dom de falar em línguas? É o dom de falar em línguas para os dias de hoje?"

Resposta: A primeira ocorrência de falar em línguas ocorreu no Dia do Pentecostes em Atos 2:1-4. Os apóstolos saíram e compartilharam o Evangelho com as multidões, falando a elas em suas próprias línguas, “Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus” (Atos 2:11). A palavra grega traduzida “línguas” significa literalmente “idiomas”. Por esta razão, o dom de falar em línguas é falar em uma língua que não se sabe falar a fim de ministrar a uma outra pessoa que fala esta língua. Em I Coríntios capítulos 12-14, onde Paulo discute os dons milagrosos, ele faz o seguinte comentário: “E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?” (I Coríntios 14:6). De acordo com o Apóstolo Paulo, e de acordo com as línguas descritas em Atos, falar em línguas é de grande valor para o que ouve a mensagem de Deus em seu próprio idioma, mas de nada serve para os demais, a não ser que haja uma interpretação, ou tradução.

A pessoa com o dom de interpretar línguas (I Coríntios 12:30) poderia entender o que uma que fala as línguas estivesse dizendo mesmo que ela não soubesse a língua sendo falada. O intérprete de línguas então comunicaria a mensagem do que fala línguas a todos os demais, e todos poderiam entender. “Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar” (I Coríntios 14:13). A conclusão de Paulo a respeito de línguas não interpretadas é poderosa: “Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida” (I Coríntios 14:19).

É o dom de línguas para os dias de hoje? I Coríntios 13:8 menciona que cessa o dom de línguas, apesar de conectar este cessar com a chegada do “perfeito” em I Coríntios 13:10. Alguns apontam para uma diferença na língua na profecia e conhecimento “cessando” com línguas “sendo cessadas” como prova para línguas cessando antes da chegada do “perfeito”. Mesmo sendo possível, isto não é explicitamente claro a partir do texto. Alguns ainda apontam passagens como Isaías 28:11 e Joel 2:28-29 como prova de que o falar em línguas era um sinal do julgamento vindouro de Deus. I Coríntios 14:22 descreve línguas como um “sinal para os infiéis”. De acordo com esta discussão, o dom de línguas foi uma advertência para os Judeus de que Deus julgaria Israel por rejeitar Jesus Cristo como Messias. Por isto, quando Deus de fato julgou Israel (com a destruição de Jerusalém pelos Romanos em 70 D.C.), o dom de línguas não mais serviria para os propósitos planejados. Enquanto esta visão é possível, o propósito principal das línguas, sendo cumprido, não necessariamente exige que elas então cessem. As Escrituras não afirmam conclusivamente que o dom de falar em línguas já cessou.

Ao mesmo tempo, se o dom de falar em línguas fosse ativo na igreja hoje, seria executado de acordo com as Escrituras. Seria uma linguagem real e inteligível (I Coríntios 14:10). Seria para o propósito de comunicar a Palavra de Deus com uma pessoa de outra língua (Atos 2:6-12). Estaria de acordo com a ordem dada por Deus através do Apóstolo Paulo: “E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus” (I Coríntios 14:27-28). Estaria também em submissão a I Coríntios 14:33: “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.”

Deus certamente pode dar à pessoa o dom de falar em línguas para capacitá-la a se comunicar com uma pessoa que fala uma outra língua. O Espírito Santo é soberano na distribuição de dons espirituais (I Coríntios 12:11). Imagine só quanto mais produtivos poderiam ser os missionários se não precisassem freqüentar uma escola de idiomas, e seriam instantaneamente capazes de falar a outros povos em seus próprios idiomas. Entretanto, parece que Deus não está agindo assim. As línguas não estão ocorrendo hoje em dia da maneira como ocorriam no Novo Testamento, apesar de que seria imensamente útil. A vasta maioria dos crentes que afirmam praticar o dom de falar em línguas não o faz de acordo com as passagens das Escrituras mencionadas acima. Este fato leva à conclusão de que o dom de línguas já cessou, ou é, pelo menos, raro nos planos de Deus para a igreja de hoje.

Aqueles que acreditam no dom de línguas como uma “língua para orações” para a auto-edificação baseiam seu ponto de vista em I Coríntios 14:4 e/ou 14:28: “O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.” Por todo o capítulo 14, Paulo enfatiza a importância de haver uma interpretação, uma tradução das línguas. Veja I Coríntios 14:5-12. O que Paulo está dizendo no verso 4 é: “Se você falar em línguas sem interpretação, a única coisa que você está fazendo é edificar a si mesmo, parecendo ser mais espiritual do que os outros. Se você falar em línguas e elas forem interpretadas, você estará edificando a todos.” O Novo Testamento, em nenhum lugar, dá o propósito de “orar em línguas”, ou descreve especificamente uma pessoa “orando em línguas”. Indo além, se “orar em línguas” for para auto-edificação, não é isto por acaso injusto com os outros que não têm do dom de línguas, e que por isto não poderão edificar a si mesmos? I Coríntios 12:29-30 indica claramente que nem todos têm o dom de falar em línguas.


Leia mais: http://www.gotquestions.org/Portugues/dom-falar-linguas.html#ixzz2kvvAFBE3

Lourival soldado cristão

Mensagens: 9875
Pontos: 21405
Data de inscrição: 23/12/2009
Idade: 56
Localização: Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Mensagem por Peregrina em 18th Novembro 2013, 1:27 am


Eu fico com a Bíblia, irmão Lourival, quando Paulo, o apóstolo, fala à tensa e problemática igreja que ficava na cidade portuária de Corinto:


Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes. Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados. Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo. Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; e a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.  1 Coríntios 12:1-11

Eu compreendi que o irmão Ricardo falou sobre algo que seria um ponto de discussão entre os que estão em Cristo ( mas que não deveria fazer a menor diferença, conforme o texto de 1 Coríntios), e que o irmão Ricardo também se chateou pelo re-batismo - se o batismo foi feito de coração, e crendo, o que acho que ele deveria ter feito é uma confirmação pública de fé em Jesus, por meio da boca  -confessando que Jesus é o Senhor de sua vida, e ponto.

Porém, é a minha opinião sobre o caso isolado.

Sobre as manifestações do Espírito na chamada Batista, elas existem do mesmo jeito. Sua linha teológica não buca variedade de línguas e interpretação, ou profecias, mas o Espírito Santo abençou vários irmãos que lá se congregam com palavras de sabedoria, de ciência, fé, dons de curar - ainda que eles não sejam conhecidos como pentecostais, nada nos diz a respeito deles abnegarem as manifestações do Espírito -
Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. ( 1 Co. 12:11). Se o Espírito reparte como quer... como poderemos dizer que o que foi para lá não falará em linguas?

E mais: o falar em línguas, ou outros dons que sejam assim manifestos no meio do povo devem ser feito com ordem e decência, um culto racional a Deus, bem diferente dos cultos pagãos, onde há´confusão.

Ainda, nos fala Deus em Romanos:
[i] "Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.[/i] Romanos 12:4-8

Nosso Deus é maravilhoso!

Aos nos comparar a um corpo humano - quem poderia ter melhor exemplo que este? Temos diferentes dons, cada um conforme a medida da fé, e devemos exercê-los. Jà frequentei a batista, quando era bem menina, com meus vizinhos, e sei que eles são, para os pentecostais, paradinhos. Porém, tem muita gente que busca pelos dons mais visíveis...como curas, como profecias, como variedade de linguas.

Creio que ao rotular quem nos rotula, caímos no mesmo prejuízo do outro.


_________________
Feliz 2014!

Peregrina

Mensagens: 370
Pontos: 471
Data de inscrição: 16/07/2013
Localização: Espírito Santo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Mensagem por Thiagogsantos em 26th Fevereiro 2014, 11:44 am

Agora eu pergunto, o que diz aqui em baixo e onde está escrito???

 E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;


Atos 2:38

Por ventura não é nas escrituras sagradas, e para que é o Batismo?? não é para perdão dos pecados???!!!!

Não se ilude com cargo ou com dízimo rapaz, examina direito as escrituras, pois vejo que você tem muito conhecimento, mas material.

Deus te abençoe!

Thiagogsantos

Mensagens: 1
Pontos: 1
Data de inscrição: 26/02/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rasgando o ‘VÉUbo’ » Por trás do véu 1´ O “Lutero da CCB”,

Mensagem por Lourival soldado cristão em 26th Fevereiro 2014, 12:16 pm

Thiago Santos escreveu:Agora eu pergunto, o que diz aqui em baixo e onde está escrito???

 E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;


Atos 2:38

Por ventura não é nas escrituras sagradas, e para que é o Batismo?? não é para perdão dos pecados???!!!!

Não se ilude com cargo ou com dízimo rapaz, examina direito as escrituras, pois vejo que você tem muito conhecimento, mas material.

Deus te abençoe!
A paz de Deus a todos !!


Ai está uma boa análise , formula batismal ,as palavras que se deve dizer neste santo serviço ,alguns dizem que deve ser feito em Nome de Jesus ,e já´outros citam  "batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mateus 28:18-20)  e já a denominação que eu pertenço ,vai mais além, usa os dois diz assim........, irmão em Nome de Jesus te batizo em nome do pai do filho e do espirito Santo ,citando o nome de Jesus duas vezes ,e tendo o cuidado não sei porque de não colocar o EU te batizo ,bom eu só sei que quem salva é Jesus e  batismo não salva ninguém, pois se batismo realmente salvar o irmão Marcelo que saiu da CCB para ir para a Batista ,se batizou duas vezes está blindado tem duas salvação grsgrs, e a CCB é uma denominação que incentiva o Rebatismo Cristão se não tiver o Selo de qualidade denominaional da CCB o batismo não vale nada ,e nem as palavras ali proferida  ,e as palavras  também de eu ou te servem para debates  para mim ,tudo isso são as formalidades para testificar ao mundo que estamos  em Jesus e testificamos que ele é o nosso salvador   para isto vem o Batismo ,mas eu não entendo de  nada pois parece que temos muita gente entendida aqui também ,não estou falando de você meu caro Thiago Santos,reproduzi as suas palavras para questionar as palavras de batismo que cada um defende ...veja mais ....
O Que a Bíblia Diz?
Deve o batismo ser em nome de Jesus?
Cristo deu aos seus apóstolos a missão de irem por todo o mundo e fazerem discípulos, "batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mateus 28:18-20). Quando os apóstolos faziam discípulos eles batizavam "em nome de Jesus Cristo" (Atos 2:38; 10:48), e "em o nome do Senhor Jesus" (Atos 8:16; 19:6). Há uma controvérsia sobre qual destas fórmulas deve ser recitada sobre a pessoa que está recebendo o batismo.
Antes de responder, vamos observar outro texto: Colossenses 3:17. Este versículo afirma: "E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus." Isto significa que temos que fazer tudo pela autoridade de Jesus, obedecendo a seus mandamentos. Não significa que temos que recitar as palavras "Senhor Jesus" quando fazemos ou dizemos alguma coisa. A frase, "em nome de", não indica uma fórmula para se recitar, mas indica uma autoridade à qual temos que nos submeter.
Nenhuma passagem bíblica dá um conjunto de palavras para serem pronunciadas sobre a pessoa que recebe o batismo. Os textos acima dizem o que era feito, não o que era dito, quando uma pessoa era batizada. O batismo deveria ser pela autoridade (de acordo com os ensinamentos) do Pai, do Filho e do Espírito Santo. E desde que nunca há uma discordância entre os três, o que quer que façamos em obediência ao Pai, ou ao Espírito, na mesma ação obedecemos à vontade de Jesus.
É aceitável dizer que se está sendo batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Pode dizer que se é batizado em nome de Jesus. Mas a verdade é que não há nada que tenha que ser dito quando se é batizado. As palavras que são faladas não afetam a validade do batismo. Mas precisamos cuidadosamente obedecer aos ensinamentos do Pai, do Filho e do Espírito Santo, sempre que se é batizado, e de fato, em tudo o que dizemos e fazemos.
-por Gary Fisher

Lourival soldado cristão

Mensagens: 9875
Pontos: 21405
Data de inscrição: 23/12/2009
Idade: 56
Localização: Sao paulo

http://ccbsemcensurasnaspeg.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum